Janete Longo/Estadão
Janete Longo/Estadão

Não conheço lobby de Lula para a Odebrecht, diz ex-ministro à CPI

Em depoimento à comissão que investiga o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, Miguel Jorge afirmou que nunca interferiu em qualquer projeto em análise do BNDES

BERNARDO CARAM, O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2015 | 15h41

Brasília - O ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Miguel Jorge afirmou nesta terça-feira, 20, não conhecer uma possível atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fazendo lobby em favor da Odebrecht. Em depoimento à CPI do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Jorge afirmou que nunca interferiu em qualquer projeto em análise do BNDES.

Ex-ministro de Lula e ex-presidente do conselho de administração do BNDES, Miguel Jorge apareceu em e-mails interceptados pela Polícia Federal em investigação contra o empreiteiro Marcelo Odebrecht, no qual sinalizou a existência do lobby. Em um e-mail, segundo avaliação da PF, Odebrecht e dois executivos da empreiteira conversaram com o então ministro de Desenvolvimento.

"Miguel Jorge afirma que esteve com os presidentes (do Brasil e da Namíbia) e que PR fez o lobby, provável referência ao presidente Lula", registrava análise prévia feita pela PF. "Nunca recebi qualquer pressão de qualquer esfera de poder para pressionar o BNDES para concessão de financiamento", afirmou aos deputados.

"No cargo de ministro, me reuni com centenas de empresas e dezenas de associações. Nunca interferi ou tentei interferir em qualquer projeto que estivesse em análise do banco", explicou. O ex-ministro informou que conhece Lula há cerca de 40 anos, mas não é seu amigo pessoal. A indicação para o comando do Ministério do Desenvolvimento, segundo sua percepção, teria sido pelo respeito "muito grande" do ex-presidente. Ele ressaltou que, enquanto participou do governo, entre 2007 e 2010, sempre viajou para promover a "qualidade dos produtos brasileiros".

Mais conteúdo sobre:
CPI do BNDES Miguel Jorge Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.