1. Usuário
Assine o Estadão
assine


'Não acho que CPI seja para partidarizar', afirma FHC

Luciana Nunes Leal - Agência Estado

24 Março 2014 | 13h 36

Após se manifestar favorável à comissão parlamentar para apurar contratos da estatal, ex-presidente contradiz argumento utilizado por ele na semana passada

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu a instalação de uma CPI para investigar contratos da Petrobrás nesta segunda-feira, 24. "Pensei que fosse mais simples e é mais complexo. Não acho que qualquer CPI seja para partidarizar", afirmou em entrevista depois de proferir aula inaugural de sociologia na PUC-Rio. Questionado se a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobrás, põe em xeque a imagem da presidente Dilma Rousseff como gestora, ele respondeu que "o PAC já basta para arranhar a imagem da presidente como gestora".

Na semana passada, dois dias após o Estado revelar que Dilma deu aval à compra da polêmica refinaria, o ex-presidente disse que não era um momento propício para abertura da CPI e que o caso já estava sendo investigado por outras autoridades. "Acho que o momento eleitoral não é o mais propício. Não sou favorável a partidarizar", disse o ex-presidente na época. Mas nesse domingo, 23, ele divulgou nota afirmando ser favorável à apuração do episódio pelo Congresso e disse ainda que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, deve conduzir o tema em nome do partido.

Além de FHC, o atual e o ex-governador de São Paulo, respectivamente Geraldo Alckmin e José Serra, também se manifestaram contra a instalação da comissão na semana passada. A mudança de posicionamento de FHC ocorre após o pré-candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves, entrar em contato com os líderes do partido. Aécio é um dos principais articuladores da CPI no Congresso.

Energia. Fernando Henrique também aproveitou para atacar os problemas no setor energético do País e disse que, diante dos baixos níveis de água nos reservatórios e da possibilidade de falta de energia, o governo faça um apelo à população para que economize eletricidade. "Quando foi feito o racionamento, no meu governo, a população atendeu. O que custa pedir que todo mundo economize agora?". . O ex-presidente lembrou ainda o racionamento ocorrido durante seu governo: "Levei muito pau por causa do apagão, mas naquele tempo não tinha rede interligada nem termelétrica", justificou.