'Nada mais burro que isso', responde Lula a Caetano

O presidente rebateu declaração do cantor e compositor baiano, que o chamou de 'analfabeto' em entrevista à jornalista Sonia Racy, do 'Estado'

Clarissa Oliveira, O Estado de S. Paulo,

07 Novembro 2009 | 03h15

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu ontem ao fato de ter sido chamado de analfabeto pelo cantor Caetano Veloso, em entrevista ao Estado concedida à jornalista Sonia Racy. Devolvendo também as criticas feitas em artigo publicado no Estado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ele afirmou que aqueles que o criticam não se conformam com o reconhecimento que seu governo conquistou.

 

 

"Eles têm que assistir a um operário - não tenho vergonha de dizer um operário - ganhar tudo o que eles imaginavam que pudessem ganhar", disse Lula, engatando uma resposta a Caetano. Disse que nesta semana foi "até chamado de analfabeto" e continuou: "É muito engraçado porque tem gente que acha que a inteligência está ligada à quantidade de anos de escolaridade que você tem. Não tem nada mais burro que isso".

 

 

Segundo o presidente, as pessoas que "dizem o que querem ouvem o que não querem". "A vida é assim, a vida é dura", disse Lula, que discursou depois da ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, no congresso do PC do B, ontem, em São Paulo.

 

Veja também:

Críticas de Caetano a Lula dividem artistas

Tente adivinhar os outros alvos do cantor no quiz "Na Mira do Caetano"

 

DIVISÃO

Atacado por líderes do PT por ter qualificado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva como "analfabeto", o cantor Caetano Veloso recebeu, na classe artística, manifestações de solidariedade e de crítica.

"Por que nada de Lula pode ser criticado?", questionou Nelson Motta, produtor musical, escritor e colunista do Estado. "Achei realmente deselegante, para dizer o mínimo, o fato de o cantor ter chamado o presidente Lula de analfabeto, coisa que ele não é", afirmou o escritor Ricardo Lísias. "O leão está banguela, rugindo lugares comuns", opinou o ator Pascoal da Conceição.

Para a documentarista e ensaísta Miriam Chnaiderman, não se deve interpretar as declarações como uma "análise política" sobre o Brasil. "Caetano, como sempre, não está minimamente preocupado em ser coerente. E é essa sua riqueza como criador maravilhoso que é."

Já o maestro Jamil Maluf não vê incoerência na manifestação. "Caetano conhece o peso das palavras como poucos. Se disse o que disse é por que realmente pensa o que pensa."

OPÇÃO

Caetano se referiu a Lula como "analfabeto" em entrevista à jornalista Sonia Racy, do Estado. Ele também anunciou sua opção pela candidatura de Marina Silva à Presidência, em 2010. "Não posso deixar de votar nela", disse o cantor. "Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é uma cabocla. É inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro."

"É no mínimo estranho alguém que diz isso depois dizer que Lula é grosseiro. Ele (Caetano) é que foi grosseiro", disse Ricardo Lísias.

"Não vejo motivo para tanto estupor por dizer que Lula, apesar de fazer ótima administração, principalmente econômica, muitas vezes é grosseiro, arrogante, bravateiro e mal-educado em seus discursos. Não tira nenhum de seus méritos políticos e administrativas. É algo que o próprio Lula não deve ignorar nem negar. Não é crime nem pecado mortal, é só uma questão de estilo, afirmou Nelson Motta.

MARINA

Sobre a entrada de Marina Silva na corrida presidencial, Motta negou que pretenda votar nela, apesar de ter simpatia pela senadora acreana. "Concordo com Caetano quanto à educação, serenidade e elegância da Marina, mas ser Lula mais Obama... É uma certa empolgação do Caetano."

"A defesa que Caetano faz da candidatura de Marina Silva reflete um desejo messiânico", disse Ivam Cabral, ator e diretor teatral. "O Brasil não precisa de outros profetas. Caetano ignora aspectos importantes da personalidade dela. Sua religiosidade fervorosa e radical pode trazer atrasos significativos em relação a temas como engenharia genética, pesquisa de embriões, direitos de homossexuais, etc."

Além de sair em defesa de Lula, Ricardo Lísias criticou seu antecessor na Presidência, Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). "Não concordo que ter FHC e depois Lula é algo bom. Eu acho FHC uma figura ornamental, um sujeito que se orgulha de falar inglês e francês, de ter doutorado, de ser professor da USP e que simplesmente fez um governo que só favoreceu a classe economicamente dominante. Tenho extrema antipatia por essa oligarquia de doutorado, que acha que sabe falar, o pessoal fino de Higienópolis."

Marina Silva não quis se manifestar sobre as declarações do cantor a respeito do presidente.  

O que ele disse e o que disseram dele

"Minha candidata à Presidência é Marina Silva... Pode botar aí. Não posso deixar de votar nela. É por demais forte, simbolicamente para eu não me abalar. Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é uma cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro..."

Caetano Veloso, cantor e compositor

"O Serra foi um excelente ministro da Saúde. Agora, ele é o tipo do cara que, se tivesse ganho no lugar de Lula, em 2002, teria trazido mais problemas à economia brasileira. Ele teria feito um governo mais à esquerda... O Lula fez a economia de direita..."

Caetano Veloso

"Ela (Dilma Rousseff) tem um trabalho de pura gestão, mas sem experiência de poder político direto. Ela nunca foi eleita a coisa nenhuma."

Caetano Veloso

 

"Vou falar de Aécio, de quem eu gosto muito. Talvez seja meu favorito entre os gestores. Porque acho que o Serra talvez ficasse mais isolado que o Aécio. E a Dilma talvez ficasse muito presa ao esquema estabelecido de ocupação dos espaços estatais pelo governo do PT."

Caetano Veloso

"Esse negócio de Estado muito forte não me atrai. Acho que ele tem de ser firme, mas não tem de ser um Estado de força. A lei tem de ser nítida, obedecida por todos, em primeiro lugar por quem manda."

Caetano Veloso

"Tem uma recaída num negócio que é tradicional aqui (América Latina), a figura do líder populista - uma linha demagógica liderada por Hugo Chávez. Mas o interessante é que Lula tem um papel bem diferente disso. Lula é um grande líder populista, mas é mais pragmático."

Caetano Veloso

"O povo não é tolo assim."

Caetano Veloso

"Leãozinho desdentado... Mesmo alfabetizado, já era!"

Maria Alice Vergueiro, atriz

"A defesa que Caetano faz da candidatura de Marina Silva reflete um desejo messiânico. O Brasil não precisa de outros profetas, cheios de conceitos antigos."

Ivam Cabral, ator e diretor teatral

"Não vejo motivo para tanto estupor por Caetano dizer que Lula, apesar de fazer ótima administração, principalmente econômica, muitas vezes é grosseiro, arrogante, bravateiro e mal educado em seus discursos... Por que absolutamente nada de Lula pode ser criticado ? Porque ele tem 80% de popularidade ?"

Nelson Motta, produtor musical, escritor e colunista do Caderno 2

"Caetano, como sempre, não está minimamente preocupado em ser coerente. E é essa sua riqueza como criador maravilhoso que é."

Miriam Chnaiderman, ensaísta e psicoterapeuta

"Achei deselegante, para dizer o mínimo, o fato de o cantor ter chamado o presidente Lula de analfabeto, coisa que ele não é... Creio ainda que a pior parte do governo Lula é a continuidade de algumas políticas econômicas de FHC..."

Ricardo Lísias, escritor

"Como é que um artista pode ter tantas opiniões prolixas e confiantes sobre temas tão díspares quanto geopolítica, história, economia, linguística e ecologia, e, no final, se declara ignorante sobre o tema que lhe deveria ser mais caro, a política cultural do país?"

Rodolfo García Vázquez, diretor do grupo de teatro Os Satyros

"Caetano conhece o peso das palavras. Se disse o que disse é por que pensa o que pensa."

Jamil Maluf, maestro

"O leão está banguela, rugindo lugares comuns. Prefiro o Caetano mais feroz. Menos pleno de maturidade. No fundo, esse papo é o desejo de se matar, por vergonha de reconhecer o que realmente somos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.