1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

MST promete mobilização nacional em apoio a Lula e contra o impeachment

- Atualizado: 21 Março 2016 | 19h 44

Mobilizações estão previstas para 31 de março e devem incluir ocupações e atos públicos

SOROCABA - Os principais movimentos de luta pela terra estão organizando os camponeses para irem às ruas, no próximo dia 31, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Embora alguns grupos tenham posição crítica em relação ao governo da presidente Dilma Rousseff (PT), ficou definida uma posição contra o impeachment , que os movimentos consideram “golpe da direita”. O dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro, informou que os detalhes da mobilização serão definidos em encontro de representantes dos movimentos sociais nesta terça-feira, 22, em São Paulo.

O dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro
O dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro

Na última sexta-feira, o líder da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL), José Rainha Júnior, reuniu 1,2 mil assentados e acampados em Bauru, interior de São Paulo, e aprovou uma moção de apoio ao ex-presidente Lula, investigado pela operação Lava Jato, e que teve sua nomeação do ministério da Casa Civil barrada pela Justiça. Brigado com o MST, o líder concordou em unificar a pauta em defesa de Lula. As mobilizações no dia 31 devem incluir ocupações e atos públicos. “O presidente Lula foi o que teve sensibilidade para as questões sociais, inclusive temos uma pauta pronta para entregar para o futuro ministro da Casa Civil”, disse.

Dirigentes do Movimento Social de Luta (MSL), grupo dissidente da FNL, também preparam manifestações autônomas, mas podem compor pauta conjunta com o MST. “Estamos mobilizando quatro mil militantes em trinta acampamentos no Estado de São Paulo, além de nove mil famílias em Goiás e no Distrito Federal”, informou Luciano de Lima, coordenador paulista. “A gente vê que o governo Dilma teve dificuldade para avançar na reforma agrária, mas somos contra o impeachment.”

Prévia. Movimentos sociais urbanos também se organizam para manifestações em defesa da “democracia e de saídas populares para a crise”, conforme nota postada na página do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). A mobilização da chamada Frente Povo Sem Medo, que reúne trinta movimentos sociais e terá o apoio do MST, pretende mobilizar 50 mil pessoas em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba e outras capitais. Em São Paulo, a manifestação dos sem-teto será quinta-feira (24), no Largo da Batata, no bairro Pinheiros, às 17 horas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX