MP deve pensar 'na biografia' de investigados, diz Lula

Em meio a novas denúncias contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva alertou o novo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de que o Ministério Público (MP) deve ter responsabilidade e pensar na biografia dos investigados. "A única coisa que eu peço é que o Ministério Público tenha o direito e a obrigação de agir com o máximo de seriedade, não pensando apenas na biografia de quem está investigando, mas na biografia de quem também está sendo investigado", afirmou Lula, sem citar nomes ou fatos. "No Brasil, às vezes, a pessoa é condenada antes, dependendo da carga da manchete da imprensa", disse.

LEONÊNCIO NOSSA E FELIPE RECONDO, Agencia Estado

22 Julho 2009 | 11h45

No discurso de posse do novo procurador, Lula lembrou que o MP ganhou amplos poderes na Constituição de 1988, mas alertou para o fato de que isso pode mudar por ação do Congresso Nacional. "Nós sabemos que a mudança nunca será por mais liberdade, mas por mais ''castramento''", disse Lula, numa referência à proposta de emenda à Constituição (PEC), chamada de "Lei da Mordaça", que responsabiliza os promotores que moverem ações consideradas temerárias.

Hoje, o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma sequencia de diálogos gravados pela Polícia Federal (PF) na Operação Boi Barrica que revela a prática de nepotismo explícito pela família Sarney no Senado e amarra o presidente da Casa ao ex-diretor-geral Agaciel Maia na prestação de favores concedidos por meio de atos secretos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.