1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Movimentos sociais marcam ato pró-Dilma no dia 31 de março

- Atualizado: 24 Fevereiro 2016 | 18h 45

A manifestação será em Brasília e reunirá a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo

Protesto contra o impeachment realizado em São Paulo
Protesto contra o impeachment realizado em São Paulo

São Paulo - Aproveitando a data em que ocorreu o golpe militar em 1964, os movimentos sociais programam um ato de defesa ao mandato da presidente Dilma Rousseff para 31 de março. A manifestação será em Brasília e reunirá a Frente Brasil Popular, que tem o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e entidades sindicais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), ligada ao PT, e a Frente Povo Sem Medo, que tem grupos mais refratários ao governo, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e a Intersindical - Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora, ligada ao Psol.

"Ditadura, a gente já viveu no passado, não podemos ter golpe de novo. Em relação à presidenta Dilma, não tem absolutamente nada que impeça ela de governar", disse o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, ao Broadcast Político. "Nossa democracia ainda é recente e frágil. Não há razão legal para o impedimento da presidenta", disse Gilmar Mauro, um dos líderes do MST, à reportagem.

A manifestação virá mais de duas semanas depois do ato programado por movimentos anti-Dilma, com apoio da oposição, em 13 de março. "Não estamos demorando a responder porque não é uma manifestação de resposta. Não vamos ser pautados por esse povo (pró-impeachment). Esse pessoal que está insistindo em agravar crise política está prestando um grande desserviço ao País. Um dia, a história vai mostrar isso", disse Nobre.

Ele também criticou a postura do presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), de apoiar grupos como Movimento Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua e Revoltados Online. "O papel dele era ajudar o País a crescer. Isso prova que ele não tinha estatura para ser presidente, que o povo fez certo ao não escolher ele (nas eleições de 2014)."

Mauro afirma que a data permitirá também uma maior organização entre as dezenas de movimentos e centrais que integram as frentes. O líder do MST afirma que não há qualquer estimativa oficial da organização do ato do dia 31, mas que ele acredita ser possível reunir entre 50 mil e 100 mil manifestantes em Brasília.

Os líderes dos movimentos dizem que seguem críticos à orientação da política econômica do governo, mas que isso não significa uma autorização para depor Dilma. Eles rebatem a ideia de que a prisão do marqueteiro João Santana, na Operação Lava Jato, seja motivo para impeachment ou para uma cassação da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

"Evidentemente, somos críticos ao governo Dilma, muito críticos, mas ela foi eleita legitimamente. Se a presidente for impedida por isso (caixa dois de campanha), todos os governadores, prefeitos, a maioria dos deputados teria de ser impedida. O caixa dois é parte da lógica da política brasileira e continuará sendo, enquanto não houver uma verdadeira reforma política", disse Mauro. "Defendemos que tem de se investigar, mas todas as campanhas, não um lado só. Os mesmos caixas que financiaram o PT, financiaram o PSDB e o PMDB. Não há equidade no processo de apuração", complementou Nobre.

Críticas econômicas. Novamente, o ato dos movimentos sociais e das centrais sindicais vai às ruas com a pauta de defesa do direito da presidente Dilma governar, mas levará duras críticas à política econômica do governo. A principal crítica deve se centrar à proposta da reforma da Previdência. "Não dá para misturar as duas coisas. Defendemos a democracia, mas somos contra a reforma da Previdência e toda essa política econômica de ajuste, que é uma fórmula de desemprego e depressão", afirmou Mauro, do MST. "Temos como eixo principal a defesa do emprego, contra a reforma da Previdência com essa proposta de idade mínima e equalização da idade de aposentadoria de homens e mulheres", disse Nobre, da CUT.

Apesar das críticas, os líderes não levantam a bandeira de "Fora, Barbosa" como fizeram em 2015 com o "Fora, Levy". Apesar de o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, defender a reforma previdenciária, ele tem um relacionamento antigo com as centrais e a base petista e a avaliação é que ainda tem crédito com essa parcela. "O Barbosa ainda precisa dar uma sinalização mais clara de qual vai ser a rota, mas temos de dar tempo pra ele, ele acabou de assumir", disse Nobre. Nelson Barbosa assumiu a Fazenda em 21 de dezembro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX