1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Movimentação na Paulista é vista como oportunidade para comércio de camisas e bonecos infláveis

- Atualizado: 13 Março 2016 | 19h 00

De salgadinhos a itens contra o governo Dilma e o PT, ambulantes tentam conseguir dinheiro para pagar contas; segundo eles, o mercado de trabalho está difícil e falta tempo para a família

Desempregados com formação e jovens atrás de complemento de renda eram a maioria entre os ambulantes que aproveitaram o protesto na Avenida Paulista, neste domingo, 13, para aliviar as contas da casa. Eles vendiam de tudo: comidas, bebidas, artesanatos e, principalmente, camisetas e bonecos infláveis contra a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula e o Partido dos Trabalhadores. E dependendo do alvo do protesto, o preço era diferenciado.

Enquanto o boneco inflável da presidente era vendido a R$ 20, os do ex-presidente Lula saiam por R$ 10. Segundo vendedores que comercializaram os pixulecos fazendo bicos a R$ 100 pelo dia de trabalho, foram os "patrões" que orientaram a venda como forma de deixar a Avenida Paulista tomada de bonecos do ex-presidente. "Vendendo mais barato a chance de as pessoas comprarem o pixuleco dele é maior", explicou Andressa Silveira, de 18 anos. Moradora do bairro do Limão, na zona norte, ela complementa a renda mensal trabalhando nos dias de protesto sempre comercializando os bonecos. "Se está difícil para rico, imagina para mim." Andressa ganha R$ 990 por mês, não tem dinheiro para pagar a faculdade e ainda não sabe o que fazer.

Em uma das calçadas, o ambulante Gebson Silva, de 30, vendia doces caseiros a um preço médio de R$ 6. Até o final da tarde ele tinha faturado R$ 400. "Mas meu lucro é muito pequeno. Fico com no máximo R$ 150. O resto é para comprar os ingredientes e pagar o combustível." Silva tem curso superior e é auxiliar de enfermagem, mas está desempregado há quatro anos e diz ter distribuído mais de 400 currículos nos últimos meses. Segundo ele, sua rotina é fugir dos "rapas" da Guarda Civil Metropolitana (GCM). "Queria estar em um hospital ajudando as pessoas e não correndo das apreensões." Ele conta que cada vez que a Prefeitura toma os seus produtos, o prejuízo é de R$ 400.

Ele também reclama de estar "estacionado" economicamente. "Com muito esforço eu saí da classe D e fui para a C. Agora é praticamente impossível subir para a B. Estou lutando para não voltar a ser pobre outra vez." O ambulante trabalha 18 horas por dia e não consegue ver a filha de três anos. "Estou há quatro anos sem férias. Aos finais de semana eu trabalho, e é impossível levar a família para passear. Espero que esses protestos também sejam bons para o povo. Somos nós que movemos o País."

Já o ambulante Edinaldo Caetano dos Santos, de 57, vê as oportunidades de emprego diminuírem por causa da idade. Neste domingo ele vendia camisetas contra a presidente Dilma. "Tenho curso de segurança e me especializei porque a promessa quando o Lula assumiu era de melhora. Me dediquei e hoje vejo que sou considerado velho pelos patrões. Ninguém quer contratar um segurança de quase 60 anos." Santos tem seis filhos: a mais nova está com 12 anos e o mais velho com 22 anos. Cético em relação aos protestos, ele acredita que sua vida "não tem muito o que mudar, com ou sem PT". "Político só lembra do povo quando precisa de voto ou puxar o tapete dos outros."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX