Motorista do prefeito de Jandira vai para UTI

O motorista do prefeito de Jandira, Wellington Martins, conhecido como Geleia, foi encaminhado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo, após passar por cirurgia. O estado dele é gravíssimo, de acordo com a assessoria do hospital. O motorista e o prefeito Braz Paschoalin (PSDB) foram atacados quando chegavam em uma estação de rádio no bairro Jardim Mirante para participar do programa semanal feito pelo prefeito, das 8h às 8h30.

MARÍLIA LOPES, Agência Estado

10 Dezembro 2010 | 18h29

Conforme a assessoria da prefeitura, Paschoalin estava em um carro sem blindagem, pois não se sentia ameaçado. Ele foi atingido no peito e o motorista na cabeça. Os dois foram socorridos por equipes da Guarda Civil Metropolitana (GCM). O prefeito não resistiu aos ferimentos e o motorista foi levado para o hospital Sameb, em Barueri, também na Grande São Paulo, e depois para o HC. O velório do prefeito estava previsto para começar às 18 horas.

Walderi Braz Paschoalin, de 62 anos, estava em seu terceiro mandato como prefeito da cidade de Jandira. Eleito vereador em 1976, foi também presidente da Câmara Municipal e concorreu à prefeitura pela primeira vez em 1982, quando ficou em terceiro lugar.

Paschoalin foi eleito pela primeira vez em 1988, cumpriu o mandato até o fim e retornou em 1996. Em 2008, foi novamente eleito, com 42% dos votos válidos, se tornando o primeiro prefeito a assumir a administração da cidade por três vezes.

Pesar

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), divulgou nota de pesar pela morte de Paschoalin. Ele afirmou que "foi com profunda tristeza que recebemos a notícia da morte do nosso querido prefeito". Alckmin também disse confiar no trabalho da polícia para esclarecer o crime, e ressaltou a disposição de Paschoalin para trabalhar pelo povo de Jandira. "Tive a oportunidade de acompanhar sua dedicação como homem público."

Mais conteúdo sobre:
crime morte prefeito motorista cirurgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.