1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Morte de coronel é 'crime abominável', diz membro da CNV

LISANDRA PARAGUASSU - Agência Estado

25 Abril 2014 | 16h 17

O assassinato do coronel reformado do Exército Paulo Malhães foi classificado como um crime abominável e um alerta para a sociedade brasileira pelo cientista político Paulo Sérgio Pinheiro, um dos membros da Comissão Nacional da Verdade. "Antes de qualquer investigação não podemos fazer qualquer afirmação sobre a autoria, mas se efetivamente se trata de uma retaliação pelo seu depoimento à Comissão da Verdade, é evidente que isso é um sinal de alerta para a sociedade de que ainda existem grupos no Brasil que recorrem à violência", afirmou.

Paulo Sérgio, acompanhado de pesquisadores da CNV, está no Chile para iniciar a apuração sobre a colaboração entre as ditaduras militares brasileiras e chilenas. Em depoimento à Comissão, Malhães havia confirmado o envio de torturadores ao país logo depois do golpe de 1973 que levou Augusto Pinochet ao poder.

O cientista político destacou a necessidade de proteção a quem depõe à Comissão, não apenas as vítimas, mas para quem testemunhar sobre os crimes cometidos pelo governo militar. "É absolutamente preocupante e a CNV vai refletir sobre isso", disse. No entanto, o professor não acredita que o assassinato de Malhães vá influenciar o trabalho da comissão ou afastar outras testemunhas. "A Comissão vai continuar trabalhando e quem tiver que testemunhar vai testemunhar", afirmou.

O coronel reformado do Exército Paulo Malhães foi encontrado morto na manhã desta sexta-feira, 25, no sítio em que morava em Nova Iguaçu (cidade na Baixada Fluminense). O corpo apresentava marcas de asfixia, segundo a Polícia Civil.

De acordo com o relato da viúva do coronel, Cristina Batista Malhães, três homens invadiram o sítio de Malhães na noite desta quinta-feira, 24, (24) procurando armas. O coronel seria colecionador de armamentos, disse a mulher aos policiais da Divisão de Homicídios da Baixada que estiveram na propriedade. Cristina disse que ela e o caseiro foram amarrados e trancados em um cômodo, das 13 horas às 22 horas desta quinta-feira pelos invasores.

Em seu blog, o coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra, afirmou que Malhães foi assassinado e, no mesmo texto, lembrou a morte de outro coronel, também ex-agente da ditadura, Júlio Miguel Molina Dias, ocorrida em 2012. Ustra comandou o DOI-CODI, em São Paulo, entre 1970 e 1974. No fim de março, durante atos que lembraram os 50 anos do golpe militar, Ustra foi alvo de manifestações de grupos de direitos humanos que pedem a punição de ex-agentes da ditadura.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo