1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Moro havia mandado suspender grampo antes da gravação

- Atualizado: 17 Março 2016 | 01h 07

Ligação entre um celular e o telefone do Planalto foi interceptada às 13h32; ofício para parar grampos foi às 12h18

O diálogo entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no qual ambos conversam sobre o “uso” do termo de posse do novo ministro da Casa Civil, foi feito pela Polícia Federal 46 minutos depois da ordem do juiz Sérgio Moro para a operadora de telefonia suspender a interceptação. A informação foi revelada pelo portal UOL.

A ligação entre um celular do Instituto Lula, com final 2034, e um telefone fixo do Palácio do Planalto, com final 0095, foi interceptada pela PF às 13h32 de ontem, enquanto o ofício de Moro à operadora Claro, determinando o fim da interceptação, foi expedido às 12h18.

Sérgio Moro, responsável pelas decisões que levaram à prisão os principais envovidos na Operação Lava Jato
Sérgio Moro, responsável pelas decisões que levaram à prisão os principais envovidos na Operação Lava Jato

Na conversa, Dilma diz a Lula: “Seguinte, eu tô mandando o ‘Bessias’ junto com o papel pra gente ter ele e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?”. A oposição interpretou a frase dita pela presidente como um indicativo de que a nomeação de Lula para a Casa Civil teve o objetivo de garantir a ele foro privilegiado e assim escapar da alçada do juiz Sérgio Moro, responsável pela investigação da Operação Lava Jato em primeira instância. Segundo esta interpretação, o diálogo configuraria que ambos atuaram juntos para obstruir as investigações que têm Lula como um dos alvos.

A ordem para a Polícia Federal fazer interceptações telefônicas de 15 números ligados ao Instituto Lula, assessores e do filho do ex-presidente foi expedida por Sérgio Moro no dia 19 de fevereiro e tinham validade para 15 dias. No dia seguinte, Moro inseriu novos números em novo pedido.

No ofício em que pede a suspensão das interceptações, Sérgio Moro justifica que foram feitas “diligências ostensivas de busca e apreensão” e pede que a autoridade policial seja informada com urgência da decisão, inclusive por telefone. Às 11h44, a Polícia Federal expediu uma certidão afirmando que recebeu o ofício e informou o delegado responsável pelas interceptações. “Certifico que intimei por telefone o Delegado de Polícia Federal, Dr. Luciano Flores de Lima”, diz a certidão.

Responsabilidade. Em nota, a Polícia Federal afirmou que a interrupção de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça é de responsabilidade das empresas de telefonia móvel. Informa também que comunicou a companhia telefônica imediatamente após o recebimento da notificação da decisão judicial.

“Até o cumprimento da decisão judicial pela companhia telefônica, foram interceptadas algumas ligações. Encerrado efetivamente o sinal pela companhia, foi elaborado o respectivo relatório e encaminhado ao juízo competente, a quem cabe decidir sobre a sua utilização no processo”, informou a PF. O Estado não conseguiu contato com a Claro no final da noite de ontem.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX