1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ministros do STF se dizem perplexos com áudios e evitam exposição

- Atualizado: 16 Março 2016 | 22h 20

Conversas obtidas pela Lava Jato indicam que nomeação de Lula a Ministério foi para evitar investigações da força-tarefa sobre ele; ex-presidente disse ainda que País tem 'uma Suprema Corte totalmente acovardada'

BRASÍLIA - A divulgação de áudio em que a presidente Dilma Rousseff conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e combina de enviar a ele seu termo de posse, antes da nomeação oficial, gerou perplexidade entre ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Os integrantes da Corte foram pegos de surpresa com a notícia ao deixarem a sessão plenária desta quarta-feira, 16. Abordados por jornalistas com a informação, os ministros ouviram o áudio na saída do plenário, se mostraram espantados e preferiram reserva.

A conversa gravada e obtida pela Lava Jato indica que nomeação foi para evitar que as investigações avançassem sobre o ex-presidente. Antes de os áudios se tornarem públicos, o ministro Gilmar Mendes, do STF, defendeu que a Corte analise se há desvio de finalidade na nomeação de Lula para a chefia da Casa Civil.

Plenário do Supremo Tirbunal Federal

Plenário do Supremo Tirbunal Federal

O ex-presidente disse ainda em conversa com Dilma que o País tem “uma Suprema Corte totalmente acovardada, um Superior Tribunal de Justiça totalmente acovardado”. Em uma das conversas, Lula fez referência a influência junto à ministra do STF, Rosa Weber. O petista pediu ao ex-ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, para falar com Dilma sobre o “negócio da Rosa Weber”. A ministra foi relatora do pedido da defesa de Lula para tirar das mãos do juiz Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato no Paraná, a investigação sobre ele.

Um ministro ouvido reservadamente pelo Estado considerou um “absurdo” o conteúdo das gravações. O ministro Marco Aurélio Mello pediu cautela na análise das informações. “Temos que esperar, não podemos incendiar o País”, disse Marco Aurélio.

Atos pelo País após a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil
JF Diório/Estadão
São Paulo (SP)

Parte da avenida Paulista em que fica o Masp foi tomada por manifestantes contrários a entrada de Lula no Ministério da Casa Civil

Com a nomeação de Lula para ministro, a investigação será encaminhada para o Supremo Tribunal Federal, onde deve ficar sob relatoria do ministro Teori Zavascki. Até o início desta noite, o gabinete de Teori não recebeu nenhuma documentação relativa ao caso. O juiz Sérgio Moro afirmou que remeteu o conteúdo referente a Lula para o STF após ele ser nomeado ministro da Casa Civil e que “a interceptação foi interrompida.”

A ministra Rosa Weber já deixou o Tribunal, sem manifestações sobre o caso. A presidência do Supremo e o gabinete de Teori disseram que não irão se manifestar sobre as gravações.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX