Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Ministros-candidatos’ favorecem bases eleitorais

Levantamento mostra que 7 dos 13 ocupantes da Esplanada que pretendem disputar as eleições privilegiam redutos na liberação de repasses e em agendas oficiais

Thiago Faria e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2018 | 21h00

BRASÍLIA - A dois meses de deixarem os cargos para disputar as eleições, os ministros-candidatos do governo Michel Temer aumentaram a liberação de recursos para seus Estados de origem e privilegiaram suas bases eleitorais nas agendas oficiais. Levantamento feito pelo Estado mostra que 7 dos 13 ministros com a intenção de entrar na corrida eleitoral incrementaram o valor autorizado para projetos e obras nos seus respectivos redutos eleitorais.

+ Liberação de emendas bate recorde com Temer

No Ministério do Turismo, por exemplo, o ministro Marx Beltrão (MDB) destinou no ano passado R$ 72 milhões para cidades de Alagoas, Estado pelo qual pretende disputar uma cadeira no Senado. O aumento em relação ao ano anterior foi de 269%, o que tornou Alagoas o campeão de investimento em Turismo no País.

Só a cidade de Coruripe (AL), governada por um tio do ministro, teve R$ 4,4 milhões liberados no ano passado, dois terços a mais do que havia recebido no ano anterior. Parte do valor servirá para pagar a elaboração de projeto básico para a construção de um aeroporto na cidade. A pasta autorizou ainda repasses para Feliz Deserto e Jequiá da Praia, cidades que também são administradas por parentes do titular do Turismo.

+ Coruripe, de Marx Beltrão, tem projeto de aeroporto que não 'decola'

Entre dezembro e janeiro, Beltrão teve três compromissos na capital do Estado, Maceió. Fora Brasília, foi a única cidade do País onde cumpriu agenda oficial no período. Na semana passada, escolheu a capital alagoana para lançar o cadastro nacional de prestadores de serviços turísticos.

No Ministério da Saúde a situação é semelhante. O ministro Ricardo Barros (PP), candidato à reeleição na Câmara, foi nada menos que 20 vezes ao Paraná, onde sua mulher, atualmente vice-governadora, figura como pré-candidata ao governo. Em alguns casos, as agendas não tinham relação com o Ministério da Saúde: encontro com empreendedores rurais na Expotrade, assinatura de convênios entre prefeitos e a usina de Itaipu e até entrega de uma honraria, a Ordem do Pinheiro, à sua mulher, Cida Borghetti.

+ No Ceará, verba de emenda parlamentar pagou show de Wesley Safadão

O Paraná não foi favorecido apenas no número de visitas do ministro da Saúde. Em 2017, o valor dos convênios da pasta firmados no Estado mais do que dobrou. Foram R$ 221,6 milhões, R$ 6 milhões a menos do que o total destinado para São Paulo, o Estado mais populoso do País. Em Maringá, base eleitoral de Barros, o valor liberado quase quadruplicou. Saltou de R$ 3,6 milhões em 2016 para R$ 12,4 milhões em 2017.

A maior concentração de repasses a um mesmo Estado, porém, ocorreu no Ministério do Meio Ambiente, comandado por Sarney Filho (PV), filho do ex-presidente e ex-senador José Sarney (MDB-AP). Dos R$ 50,5 milhões autorizados via convênios no ano, R$ 37,4 milhões (74%) foram para o Maranhão. O valor é bem superior ao total repassado ao Estado durante todo o governo Dilma Rousseff: R$ 2,2 milhões.

PÓS-OLIMPÍADA 

Mesmo após a Olimpíada, o Rio continuou a ser privilegiado em repasses do Ministério do Esporte e na agenda do ministro, Leonardo Picciani (MDB-RJ). A pasta liberou R$ 98,2 milhões no ano passado em convênios que tinham como objetivo, entre outros, a construção de campos de futebol, pistas de skate e reformas de quadras poliesportivas em cidades do interior fluminense.

O valor repassado ao Rio no ano passado foi o maior entre todos os Estados e superou em 176% o que havia sido destinado em 2016 (R$ 35,5 milhões).

No Ministério da Agricultura, a liberação de recursos para prefeituras de Mato Grosso, reduto eleitoral do ministro Blairo Maggi (PP), passou de R$ 27,6 milhões para R$ 57,6 milhões, um incremento de 109%.

No Ministério do Desenvolvimento Social, os convênios com cidades do Rio Grande do Sul cresceram 42% em 2017 e somaram R$ 22,1 milhões. O titular da pasta, Osmar Terra (MDB-RS), pretende disputar a reeleição na Câmara.

No Pará, embora o valor dos convênios com cidades do Estado tenha caído no ano passado, o total de R$ 15,2 milhões direcionados à base eleitoral do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (MDB), é mais do que a soma do que municípios paraenses receberam da pasta nos oito anos anteriores à sua gestão (R$ 7,6 milhões de 2008 a 2015). O aporte de recursos foi recorde em 2016, quando Helder assumiu – R$ 38,8 milhões, a maior quantia via convênios entre os 26 Estados e o Distrito Federal.

Herdeiro político do pai, o senador Jader Barbalho (MDB-PA), Helder tenta se cacifar como candidato ao governo paraense. Para isso, foi ao Estado para 14 compromissos como ministro, só dois a menos do que a agenda de despachos na capital federal. Quando está em Brasília, tem como prática abrir espaço no gabinete para receber até vereadores de pequenos municípios do Pará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.