1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Ministro diz que Senado descumpre decisão sobre salários

RICARDO BRITO - Agência Estado

20 Fevereiro 2014 | 17h 09

Para Marco Aurélio, ao decidir por fazer depósito em juízo, Casa estaria descumprindo sua liminar que liberou os 'supersalários'

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, afirmou nesta quinta-feira, 20, que o Senado descumpre a decisão da Corte ao fazer o depósito em juízo de recursos que ultrapassem o teto constitucional de servidores do Legislativo. Na quarta-feira, 19, a Mesa Diretora da Casa anunciou que entraria com recurso para derrubar a liminar dada por Marco Aurélio que permite os chamados "supersalários" e que iria depositar em juízo os pagamentos superiores a R$ 29,4 mil, o atual teto do funcionalismo.

"É descumprimento da liminar. A liminar foi para não se ter qualquer providência, tendo em conta o teto, a não ser de satisfazer a remuneração até se ouvir os interessados", afirmou o ministro, no intervalo da sessão do Supremo.

Marco Aurélio disse que não se discute por ora a "matéria de fundo", ou seja, "se o teto deve ou não ser respeitado". "O que se discute é o direito de defesa, de ser ouvido", ressaltou. Na liminar, concedida a pedido do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis), o ministro entendeu que o corte nos salários dos funcionários do Congresso não poderia ter sido feito sem que eles fossem ouvidos.

Na quarta, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), classificou como "absurda" a decisão do Supremo. "Acho recomendável que seja feita uma folha suplementar e fazer um depósito judicial. As pessoas poderão sacar o depósito dependendo da decisão em relação ao mérito da matéria", sugeriu Renan.