WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Ministério Público e Funai investigam suposto massacre de índios isolados na Amazônia

Área fica próxima à fronteira com o Peru; investigação corre deste agosto, mas só nesta segunda-feira a instituição confirmou o inquérito

André Borges, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 18h33

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal de Tabatinga, no Amazonas, apura denúncia de um suposto ataque contra povos indígenas isolados que habitam a região do rio Jandiatuba, na Terra Indígena Vale do Javari.

Em abril, a reportagem do Estado percorreu toda a região e denunciou a situação de risco e precariedade vivida pelos povos isolados. Apenas quatro bases da Fundação Nacional do Índio (Funai) atuam para proteger cerca de 5 mil índios isolados nos extremos da Amazônia, uma área que abrange 84.570 quilômetros quadrados, o equivalente a dois Estados do Rio.

Segundo a Funai, a área sob investigação fica nas proximidades dos rios Jandiatuba e Jutaí, próxima à fronteira com o Peru, a cerca de 1 mil quilômetros de Manaus.

A denúncia surgiu depois que alguns garimpeiros foram vistos no município de São Paulo de Olivença, no oeste do Amazonas, falando sobre o ataque. Servidores da Funai fizeram o primeiro levantamento e entenderam ser necessário apresentar a denúncia. Os garimpeiros foram presos e conduzidos a Tabatinga para prestarem depoimento, cumprindo mandado de busca e apreensão.

De acordo com a Funai, os garimpeiros não confirmaram as mortes. Não há também nenhuma prova material que comprove o suposto massacre, o que impede de se confirmar a veracidade das mortes.

Em nota, o MPF afirmou que "investiga o garimpo ilegal no rio Jandiatuba e que a instituição vem recebendo denúncias da Funai e dos próprios moradores, por conta da violência que o garimpo gera, da prostituição infantil, das ameaças e até de homicídios".

“Apesar das dificuldades enfrentadas para chegar ao local (12 horas de barco nesse período de seca), a Funai está empenhando todos os esforços para apoiar o Ministério Público e a Polícia Federal na investigação”, diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.