Leonardo Benassatto/Reuters
Leonardo Benassatto/Reuters

MBL e apoiadores de Lula trocam provocações no segundo dia da Caravana no Sul

Apesar do clima tenso entre os manifestantes, não houve registro de feridos

Janine Appel, especial para O Estado de S. Paulo, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 18h39

SANTA MARIA (RS) - Integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) e apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio da Silva trocaram provocações do lado de fora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no segundo dia da caravana do petista pelo Rio Grande do Sul. Apesar do clima tenso, não houve maiores ocorrências e ninguém ficou ferido.

++ Defesa vê 'iminente encarceramento' de Lula

++ PT aumenta pressão por Lula no Supremo

O grupo de apoio ao ex-presidente reuniu militantes do PT, membros do MST e da CUT. O MBL levou cerca de 50 integrantes para protestar contra o petista.

Dentro da Universidade, cerca de 800 pessoas aguardavam a chegada de Lula. A comitiva, composta pela ex-presidente Dilma Rousseff, entre outras lideranças petistas, se reuniu com reitores de universidades e institutos federais de ensino. 

Na pauta, investimentos em educação, ciência e tecnologia e as implicações da Emenda Constitucional 95, aprovada em dezembro de 2016, que congela os gastos no setor por 20 anos. A reunião ocorreu a portas fechadas e o acesso à imprensa foi restrito a imagens. Lula não falou com os repórteres. 

A caravana se dirigiria para um ato de mobilização pela defesa da candidatura de Lula, no Bairro Nova Santa Marta, tradicional núcleo de eleitorado petista na cidade.

Bagé. O primeiro dia da etapa gaúcha da caravana já havia sido marcado pelo clima de tensão entre manifestantes e apoiadores de Lula. Houve protestos contra a presença do petista em Bagé e em Santana do Livramento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.