1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Matarazzo se filia ao PSD e espera saída de Kassab do governo Dilma

- Atualizado: 30 Março 2016 | 14h 15

Vereador, que deve disputar a Prefeitura de SP pelo partido, disse que 'há expectativa' de que a legenda rompa com o Planalto

Andrea Matarazzo e João Doria Jr
Andrea Matarazzo e João Doria Jr

São Paulo - Após deixar o PSDB no dia 18, o vereador Andrea Matarazzo anunciou nesta quarta-feira, 30, sua filiação ao PSD, partido pelo qual disputará a Prefeitura de São Paulo, e disse que “há expectativa” de que a legenda rompa com o governo da presidente Dilma Rousseff. O fundador e presidente do PSD é o ministro das Cidades, Gilberto Kassab.

“Todos conhecem a minha posição. Estive em todas as manifestações anti-petistas. Tenho a expectativa que o prefeito Gilberto Kassab acabe saindo do ministério

O ministro não participou do anúncio pois tinha agenda em Brasília. Aos jornalistas, o vereador classificou como “um bom sinal” o fato de Kassab ter liberado o voto dos 31 deputados do PSD na votação sobre o impedimento de Dilma.

Questionado sobre a possibilidade de receber apoio de lideranças históricas do PSDB, como os senadores José Serra e Aloysio Nunes e o ex-governador Alberto Goldman, na disputa municipal, Matarazzo afirmou que os antigos aliados são “livres para fazer o que quiserem”. 

“As pessoas que são minhas amigas conhecem bem o projeto que tenho para São Paulo. Tudo o que eu aprendi em política foi com o Alberto Goldman, José Serra, Aloysio Nunes, Fernando Henrique Cardoso e Arnaldo Madeira. Eles sabem o que é melhor para São Paulo, mas não vou ficar patrulhando ninguém”.  

Matarazzo saiu do PSDB depois de enfrentar o empresário João Doria, aliado do governador Geraldo Alckmin, nas prévias do partido que definiram o candidato tucano na capital. Aliados do vereador no processo interno, o ex- governador Alberto Goldman e o presidente do Instituto Teotônio Vilela, José Aníbal, recorreram ao Ministério Público Eleitoral de São Paulo para impugnar a candidatura de Doria, que é acusado por eles de compra de votos. 

Em entrevista coletiva, cercado de lideranças locais da sigla, Matarazzo disse que já esteve junto do PSD, na gestão municipal de Serra/Kassab, que no seu entender foi a melhor gestão da Prefeitura de São Paulo.

"Me disponho a colocar São Paulo no rumo", disse o vereador, depois de citar dados e números dos avanços da gestão Serra/Kassab, sobretudo na área social.

Matarazzo descartou a possibilidade ser candidato a vice em uma eventual candidatura da senadora Marta Suplicy à Prefeitura pelo PMDB, mas fez elogios a ela. "Marta teve bons projetos que podem melhorar. Ela tentou ser uma boa prefeita".  

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX