André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Marun diz que inquérito dos portos pode estar sendo vazado em troca de dinheiro

Ministro da Secretaria de Governo afirmou que é preciso investigar a origem dos vazamentos, que podem estar sendo pagos

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2018 | 14h45

BRASÍLIA - O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), disse na terça-feira, 8, que informações sobre o inquérito que investiga o presidente Michel Temer por suspeitas de irregularidades na edição do decreto dos Portos podem estar sendo vazadas para imprensa em troca de remuneração financeira. Sem citar nomes, ele afirmou que há órgãos de imprensa que parecem ser "receptadores de produtos de crime" e cobrou investigação sobre esses supostos vazamentos.

+ Marun critica 'hipocrisia' de pré-candidatos de centro que tentam se afastar do governo

"Esse inquérito dos portos, primeiro, deveria ser encerrado, porque é fonte de vazamento e vazamento é crime. Se um cidadão é receptador de produto de crime, ele é preso. Agora, existem órgãos da imprensa que parecem que são receptadores de produtos de crime, do crime de vazamento.", afirmou. "Quem me garante que não estão pagando? Quem garante que isso não está chegando em alguns órgãos de imprensa mediante remuneração financeira?", emendou.

Questionado sobre quem estaria pagando, Marun foi evasivo e disse que não estava "acusando ninguém". "Estou levantando a necessidade de uma investigação séria sobre isso. Estou exigindo, inclusive, que se faça uma investigação séria sobre isso porque, a princípio, ninguém está acima da lei. Existem vazamentos seletivos e existem vazamentos que produziram resultados financeiros importantes", declarou.

+ Marun diz que prorrogação de inquérito dos portos é 'perseguição'

Para o ministro, o inquérito precisa ser encerrado, porque está "completamente contaminado pela existência constante de vazamento seletivo". "Isso é receptação de produto criminoso, certo? Então, deveria ser investigado. Isso não é fonte. Fonte é uma coisa, crime constante é outra", afirmou. Para ele, a perseguição com o governo Temer é a mesma com o governo Dilma. "É a mesma estratégia: vaza, divulga, desmoraliza e segue em frente", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.