Mariz é acionado como alternativa de defesa de Temer

Palácio do Planalto discute estratégias jurídicas para rebater acusações que incluem apoio do amigo advogado

Tânia Monteiro e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2017 | 15h09

BRASÍLIA - Diante da divulgação de novos trechos da delação do dono da JBS Joesley Batista, citando o presidente Michel Temer, o governo dedicou a manhã desta sexta-feira, 19, a discutir estratégias jurídicas e políticas de defesa a serem desenvolvidas, não só por conta da instauração do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), mas também pelos processos de abertura de impeachment no Congresso.

Além da possibilidade, que ainda não foi descartada, de Temer voltar a fazer um pronunciamento rebatendo as acusações de quinta-feira, 18, e das novas, que estão sendo divulgadas nesta sexta, o presidente pensou até mesmo em delegar a um advogado, que poderia ser seu amigo Antônio Mariz, a missão de falar em seu nome, defendendo-o das acusações. Mariz se reuniu com Temer no Palácio do Jaburu quinta, 18, à noite, voltou lá na manhã desta sexta e prosseguiu em conversas no Palácio do Planalto.

A ideia que foi discutida, neste final de manhã, é colocar um advogado rebatendo todos os ataques feitos ao presidente. A estratégia terá de ser feita em parceria com a área jurídica do governo, para não ter desacordo nos termos da defesa e conflito de informações. Mas o que será feito nesses termos, ainda está sendo objeto de discussão, para posterior decisão de Temer, em conversas com Mariz, o secretário de assuntos jurídicos da Casa Civil, Gustavo do Vale, e seus ministros mais próximos.

Outra estratégia na qual o governo está trabalhando também é entrar na Justiça contra o empresário Joesley Batista, pelas acusações contra ele. Há ainda a possibilidade de Temer acionar o STF contra a abertura de inquérito. Outras ideias ainda são discutidas e trabalhadas também como forma de mostrar que o presidente não está na defensiva e que não aceita as acusações e ilações que estão sendo feitas contra ele.

Na manhã desta sexta-feira, quando recebeu Mariz logo cedo, no Jaburu, e decidiu transferir para o final do dia a reunião com os comandantes militares, Temer achava importante voltar a falar. Mas no decorrer da manhã, ganhou força a tese de que um advogado deveria fazer esse papel. Até esta tarde, no entanto, não há decisão sobre o rumo a ser tomado. Há quem ache que "é preciso esperar sair tudo" para Temer poder falar de novo, se não, ficará parecendo que, a cada nova denúncia, ele teria de voltar a se explicar e isso está fora de cogitação pelo governo, pelo menos por enquanto.

Temer continua convencido de que tem de resistir no cargo, repudiando, ainda, qualquer hipótese de renúncia. Na quinta-feira, 18, o presidente se animou com os apoios recebidos da base aliada, mas não tem ideia do que poderá ser apresentado ainda em novas divulgações de delações, que podem colocá-lo em uma posição ainda mais delicada.

A situação do presidente não é boa e ele sabe das dificuldades que ainda terá de enfrentar para poder retomar o foco no trabalho pela volta do crescimento e reorganização da base aliada para prosseguir as votações das reformas. Há quem ache que essa retomada do controle da situação não acontecerá porque o presidente irá enfrentar outros problemas com as delações, que deixarão sua situação insustentável. Assessores do presidente, no entanto, insistem que nada do que saiu, até agora, afeta o presidente da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.