Marina diz que governo passa por 'dose de realidade' após marketing eleitoral

Ex-ministra derrotada nas eleições presidenciais atacou medidas do governo adotadas após o período eleitoral e falou sobre aumento da miséria

Luiz Felipe Barbiéri, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2014 | 18h53

São Paulo - A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva criticou, em artigo publicado em seu blog nesta quinta-feira, 6, a demora na veiculação de estatísticas negativas ao governo e disse que, com a diminuição da propaganda eleitoral, a dose de realidade aumenta. Ela ainda citou a adoção de medidas impopulares pela presidente Dilma Rousseff, como o reajuste nos preços da gasolina e do diesel, além da alta dos juros.

No artigo intitulado "Quando a realidade desmonta o marketing", Marina condena o adiamento na divulgação de dados sensíveis ao Planalto. A ex-ministra lembra o aumento no número de pessoas que vivem na faixa de extrema pobreza, de acordo com levantamento divulgado na quarta pelo Ipea, e afirma que a inflação é que prejudica os mais carentes.

"Analistas e técnicos dizem que os efeitos nocivos da inflação voltam a fazer vítimas na camada mais desprotegida da sociedade brasileira. Em sua campanha, a presidente candidata negou com veemência que o aumento dos preços colocaria sob risco as conquistas de melhoria de renda dos mais pobres."

Segundo Marina, "a tática de esconder maus resultados também foi seguida pela Receita Federal", que segurou a publicação dos números referentes à arrecadação do mês de setembro - 4,42% inferior a agosto - para depois do pleito.

"Ainda há doses de realidade guardadas. A sociedade espera a palavra das autoridades governamentais sobre o desmatamento da Amazônia e o desempenho dos alunos da rede pública em português e matemática", diz o artigo. Sobre este último, Marina acusa a Casa Civil, chefiada por Aloizio Mercadante, ex-ministro da Educação, de guardar nas gavetas do Planalto o relatório sobre o desempenho dos estudantes no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

"Essa forças políticas terão de explicar às brasileiras e aos brasileiros quais as saídas para impedir a avalanche de retrocessos que se observa na economia e na gestão pública (...) e, agora, como se não bastasse, retrocesso até na área em que se diziam imbatíveis, com o aumento da degradação social."

Mais conteúdo sobre:
Marina Silva Dilma Roussef miseria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.