Assine o Estadão
assine

Política

Marina Silva

Marina afirma esperar apoio de Serra

Em seu primeiro ato de campanha, candidata do PSB diz que, se for eleita, conta com ajuda de setores do PSDB e do PT para governar

0

Ângela Lacerda e Isadora Peron, enviada especial,
O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2014 | 23h21

RECIFE - Em seu primeiro dia de campanha de rua, no Recife, capital do Estado que foi governado por Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo, a nova candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, afirmou que, se eleita, irá governar com a ajuda de bons quadros de outros partidos, como o PT e o PSDB. Ela citou nominalmente o senador petista Eduardo Suplicy e o ex-governador tucano José Serra.

“A nossa política de alianças vai ser respaldada pela sociedade brasileira. Eu sempre disse, desde 2010, que nós haveremos de ter maioria para governar com a ajuda dos homens e mulheres de bem do Congresso Nacional que existem em todos os partidos”, afirmou Marina. 

“O PT de (Eduardo) Suplicy não vai nos faltar. Eu até te digo mais: mesmo que estejamos em palanques diferentes, se não for o Suplicy e for o (José) Serra, eu tenho certeza que ele não vai nos faltar. Porque não é possível que as pessoas não aprendam que nós temos que nos libertar da velha República”, disse, citando os candidatos petista e tucano ao Senado. 

Marina foi contra a aliança do PSB com os tucanos em São Paulo. Mesmo tendo assumido a cabeça de chapa no lugar de Campos, ela se recusa a apoiar a reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB). 

Campanha. Ao lado do deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), indicado para a vice, Marina caminhou por cerca de 1h30 pelas ruas do bairro Casa Amarela, região pobre de Recife,com calçadas esburacadas e esgoto a céu aberto.

Na terra do ex-companheiro de chapa, Marina fez um discurso cheio de referências a ele. Além de citar bandeiras do ex-governador, como a educação em tempo integral, repetiu o mote usado por Campos quando ele visitava cidades nordestinas. “O Nordeste não é um problema para o Brasil, é a solução”, afirmou ela, do alto de um palanque montado no meio da rua.

O candidato do PSB ao governo de Pernambuco, Paulo Câmara, também acompanhou Marina na caminhada. O grupo era apresentado por um carro de som que dizia que eles eram os candidatos de Campos. 

Sob os gritos de “Eduardo presente, Marina presidente”, a nova candidata cumprimentou eleitores, bateu fotos e parou para conversar com moradores. 

Um boneco gigante de Marina foi empunhado durante o trajeto. Materiais de campanha em que ela aparece como vice de Campos, porém, continuavam sendo distribuídos. 

A candidata também fez críticas à presidente Dilma Rousseff. “Não adianta fazer um filme para dizer que está tudo azul, tudo cor de rosa, quando a inflação começa a corroer o salário dos brasileiros”, disse, em uma referência à propaganda de Dilma na TV, que exalta as conquistas do governo. 

Marina também foi questionada sobre a propriedade do jatinho que caiu em Santos no dia 13 matando Campos e outras seis pessoas. Mas quem respondeu foi o candidato a vice. Segundo ele, o PSB ainda está apurando quem é o dono da aeronave e afirmou que esse “não era um problema” de Campos.

Mais conteúdo sobre: