Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Marco Aurélio diz estar sendo 'crucificado' por adiamento de sessão sobre HC

'Sociedade não pode presumir que todos sejam salafrários', diz o ministro sobre 'patrulhamento' contra o STF

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

23 Março 2018 | 17h49

RIO - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello queixou-se nesta sexta-feira, 23, que a corte está sofrendo um "patrulhamento sem igual" pelas decisões que toma e disse que a sociedade não pode presumir "que todos sejam salafrários". Ele se queixou de manifestações que tem recebido e declarou que pediu para excluir duas contas de e-mail e para trocar números de seus telefones, tal era a quantidade de mensagens que lhe foram endereçadas.

++ 'Quero que a Suprema Corte analise o mérito do processo', pede Lula

++ Palocci pede que Supremo analise seu habeas corpus no mesmo dia do de Lula

"O patrulhamento é muito grande. A sociedade tem que pensar que existem homens de bem. Não pode a sociedade presumir que todos sejam salafrários até que provem o contrário", afirmou o ministro durante discurso no 15º Colóquio da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, realizado na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro. "Nunca vi coisa igual. Nos dois endereços na internet, (vinha recebendo) cerca de mil mensagens por dia. E mensagens diferentes, o que revelam que a origem não é a mesma" - ele esclareceu que não se tratavam de ameaças.

Mello afirmou ainda que está "sendo crucificado" por ter ter sido apontado como responsável pelo adiamento do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula. Mello revelou, durante a sessão, que tinha um voo marcado para o Rio de Janeiro no início da noite de quinta-feira. Esse foi um dos motivos pelos quais a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, decidiu colocar o adiamento do habeas corpus em votação.

++ José Nêumanne: ‘Não acredite que o Supremo é a voz da Justiça’

++ Palocci pede que Supremo analise seu habeas corpus no mesmo dia do de Lula

"Estou sendo crucificado como culpado pelo adiamento do julgamento do habeas corpus do presidente Lula, porque sou um cumpridor de compromissos", disse o ministro ."Vi hoje nos jornais que estou sendo apontado como culpado, por honrar um compromisso que assumi com muita anterioridade, apontado como o causador do adiamento do processo contra o ex-presidente Lula, como se fosse para ontem o julgamento. O Supremo não tem apenas um processo, tem milhares de processos."

Segundo o ministro, seu voo para o Rio de Janeiro estava marcado para às 19h40 de quinta e ele já havia feito o check-in - Mello chegou a mostrar uma folha durante o julgamento, para provar o que dizia - quando foi colocado em votação o pedido de adiamento da sessão. A proposta acabou aprovada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.