1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Manuscrito de doleiro traz nome de Dilma ligado a valores, diz revista

- Atualizado: 11 Março 2016 | 22h 38

Bilhete é um dos documentos recolhidos e entregues à Lavo Jato

Um bilhete escrito pelo doleiro Alberto Youssef de próprio punho, entregue à Polícia Federal em 2014, traz o nome da presidente Dilma Rousseff próximo de valores financeiros. O manuscrito traz a referência a Dilma como o segundo item abaixo do registro "1.000.000 Bsb" (um milhão Brasília). Ao lado do nome da presidente aparece o número 17, a palavra "viagem" e, ao que parece, um horário (16h30). No primeiro item, imediatamente abaixo do número, aparece o termo "novo embaixador".

As informações são da revista IstoÉ desta semana. O conteúdo da reportagem, já disponível no site da publicação na internet, traz imagem do manuscrito de Youssef - um dos pivôs do escândalo de desvio de recursos da Petrobras, investigado na Operação Lava Jato.

O doleiro Alberto Youssef

O doleiro Alberto Youssef

De acordo com a publicação, o bilhete é um dos documentos recolhidos pela contadora de Youssef, Meire Poza, e entregue aos investigadores da Lava Jato. Meire começou a atuar como informante da Polícia Federal em abril de 2014.

A publicação informa ainda que, de acordo com a contadora, ao receber o papel, em abril de 2014, na Superintendência da PF na Lapa, em São Paulo, o delegado Márcio Anselmo, da força-tarefa da Lava Jato, teria vibrado: "Que coisa maravilhosa". O testemunho de Meire, segundo a IstoÉ, consta do livro "Assassinato de Reputações II - Muito além da Lava Jato", de autoria do delegado Romeu Tuma Jr. A obra será lançada nesta semana.

No entanto, de acordo com a reportagem, o manuscrito não teria sido incorporado às provas da Lava Jato. Ele não aparece no e-Proc, sistema de consulta dos processos da força-tarefa, e nunca teria sido encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR), o que é obrigatório, tratando-se de Dilma.

Romeu Tuma Jr, entrevistado na reportagem da IstoÉ, diz que o episódio seria um claro indicativo de que pode ter havido pressão do Planalto para abafar o caso.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX