Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Manifestantes gritam 'Fora Cunha' e 'não vai ter golpe' na abertura do Congresso da CUT

A manifestação acontece no dia em que decisões liminares no Supremo Tribunal Federal (STF) impediram o rito para avaliação de processos de impeachment na Câmara dos Deputados, segundo havia definido o presidente da Casa

Ana Fernandes, André Italo Rocha e Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

13 Outubro 2015 | 19h56

São Paulo - Pouco mais de uma centena de pessoas ligadas à Central Única dos Trabalhadores (CUT) entoavam nesta tarde gritos de "Fora, Cunha" e de "Não vai ter golpe". A manifestação acontece no dia em que decisões liminares no Supremo Tribunal Federal (STF) impediram o rito para avaliação de processos de impeachment na Câmara dos Deputados, segundo havia definido o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Os militantes participam de congresso da CUT, realizado na capital paulista. A presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula e o ex-presidente uruguaio Pepe Mujica falarão na abertura do evento, daqui a pouco. Lula fez uma palestra fechada a delegações internacionais que participam do congresso. Segundo fontes que ouviram a palestra, ele falou por cerca de meia hora e não tocou diretamente em temas polêmicos como impeachment ou falou no nome de Cunha.

Lula ouviu menções de apoio de sindicatos, em "defesa da democracia" e contra o golpe. Segundo o site do evento da CUT, Lula falou sobre crise no Brasil, argumentando que ela é mais política que econômica neste momento. "Não adianta terceirizar a política, precisamos de dirigentes para enfrentar a crise", teria dito. "O problema que vivemos hoje é mais político que econômico, já vivemos crise muito maior que essa. Um país que tem 200 milhões de habitantes precisa acreditar em si, no seu mercado interno."

Mais conteúdo sobre:
CUT Eduardo Cunha Fora Cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.