Assine o Estadão
assine

Política

Rede Globo

Manifestação em apoio a Lula reúne dezenas no Jardim Botânico

Além de cartazes e faixas, manifestantes portam uma réplica de jararaca; filha do ex-presidente participa do ato

0

Idiana Tomazelli,
O Estado de S. Paulo

06 Março 2016 | 11h23

RIO - Dezenas de manifestantes se reuniram na manhã deste domingo em frente à sede da Rede Globo, no Jardim Botânico, no Rio, em protesto contra a emissora e em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, alvo de uma condução coercitiva (quando a pessoa é obrigada a depor) na última sexta. Além de cartazes e faixas, os manifestantes trouxeram uma réplica de jararaca, em referência à declaração de Lula após depor à Polícia Federal.

"Se quiseram matar a jararaca, não bateram na cabeça, bateram no rabo. A jararaca está viva", disse o ex-presidente em entrevista coletiva na sede do diretório do PT em São Paulo na sexta.

Uma das presentes ao manifesto é a filha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Lurian Cordeiro Lula da Silva. Ela se recusou a falar com o Estado e acenou com o dedo do meio. "Aqui para vocês, eu não falo com mídia golpista."

O presidente do PT no Rio, Washington Quaquá, afirmou que Lula foi "sequestrado" pelo juiz Sérgio Moro, que autorizou a ação da PF, e isso proporcionou também o "sequestro da democracia". "Agora, teremos que construir uma nova democracia", disse.

Quaquá destacou ainda que o PT, antes fragmentado, está mais unido do que nunca após o ocorrido na sexta e prometeu mais manifestações. "O ataque ao Lula mexeu com os brios do PT e da esquerda", disse.

Os manifestantes ainda pedem reação da presidente Dilma Rousseff. Diversos veículos que passam pelo local manifestaram apoio e balançaram bandeiras do PT, enquanto outros fizeram sinal de desaprovação. O clima é pacífico. A organização aguarda mil pessoas no protesto que deve se estender até o meio-dia. No Facebook, havia cerca de 270 confirmados para o evento. A Polícia Militar estima 70 pessoas presentes.

Os manifestantes começaram a chegar 40 minutos antes do horário marcado para o protesto. Um ônibus trouxe pessoas de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e um carro de som posicionado em frente à sede da emissora. Desde o início, elas bradavam palavras contra a Rede Globo. Em discursos, reclamavam sobre a transformação de uma concessão pública de TV em "um partido facista".

O ex-ministro Edson Santos, que ocupou a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial no segundo mandato de Lula, comparou o momento atual ao "golpe que levou Getulio Vargas ao suicídio".

A candidatura de Lula à Presidência da República em 2018 também é aclamada pelos presentes, para quem o líder é o único nome forte para a disputa. Para Quaquá, será uma oportunidade de executar reformas ainda não realizadas pelo PT, como a tributária e da mídia.

Comentários