Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Mais dois senadores deixam CPMI da JBS

Cristovam Buarque (PPS-DF) e Dário Berger (PMDB-SC) abandonaram o colegiado nesta quarta

Thiago Faria e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 18h47

BRASÍLIA - Recém-criada no Congresso, a CPMI da JBS teve mais duas baixas nesta quarta-feira, 13. Os senadores Cristovam Buarque (PPS-DF) e Dário Berger (PMDB-SC) pediram para deixar o colegiado.

Cristovam atribuiu a decisão à escolha do deputado Carlos Marun (PMDB-MS) como relator da comissão. "Eu não gosto de CPI, não tenho vocação. Mas a saída também tem a ver com a indicação do relator porque acho que estão fazendo chapa branca", afirmou. 

A rebelião provocada pela escolha de Marun, conhecido pela defesa enfática que faz do governo de Michel Temer, já havia resultado na saída de outros dois integrantes: os senadores Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e Otto Alencar (PSD-BA). Todos os que deixaram o colegiado são de partidos da base.

Procurado, Berger não havia se manifestado sobre o motivo que o levou a pedir para deixar a CPMI até a publicação da notícia. Sua indicação foi anunciada hoje pelo líder do PMDB, Raimundo Lira. 

O senador catarinense é um dos que tiveram a campanha financiada pela JBS. Ele recebeu R$ 500 mil em 2014. Conforme o Estado mostrou nesta terça-feira, quase um terço dos parlamentares que integram a CPMI receberam da empresa, que é alvo da comissão.

Mais conteúdo sobre:
Senado Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.