Divulgação
Divulgação

Maia vê superada discussão jurídica sobre sua reeleição

Deputado ainda não se colocou oficialmente como candidato à reeleição, mas disse acreditar que não há dúvidas sobre a permissão jurídica para disputar o pleito

Isabela Bonfim / BRASÍLIA, O Estado de S. Paulo

21 Dezembro 2016 | 22h25

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda não se colocou oficialmente como candidato à reeleição no próximo ano, mas disse acreditar que não há dúvidas sobre a permissão jurídica para disputar o pleito. Para ele, o que pode pesar em sua decisão de se tornar candidato é unicamente a viabilidade política.

“Do ponto de vista jurídico, acho que é uma questão superada, a decisão política é que precisa ser tomada, decidir com meu partido e outros partidos se devo tentar a reeleição”, afirmou ontem o deputado do DEM.

Maia chegou a citar o exemplo da retirada de candidatura do senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) à presidência do Senado, quando o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) também se colocou na disputa. “O Sarney lançou a candidatura, faltavam votos para o Garibaldi disputar a eleição. No meu caso é uma questão de articulação política, que passa necessariamente pelo voto.”

Maia disse conhecer em partes o relatório do deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA), que vai apresentar parecer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) favorável à sua reeleição. Para o presidente da Câmara, o relatório segue a mesma linha da assessoria jurídica do Democratas. Ele afirmou ainda que, segundo seus advogados, a sinalização dentro do Supremo Tribunal Federal (STF) é de que essa é uma questão interna da Câmara. O STF não tem urgência para tratar do assunto.

Cronograma. Candidato à presidência da Câmara, o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), encaminhou à Mesa Diretora um pedido de esclarecimento sobre o cronograma e os procedimentos da eleição que definirão o novo comando da Casa. O pleito está marcado para 1.º de fevereiro de 2017. No ofício encaminhado a Maia, Rosso pergunta se há prazo-limite para a apresentação de candidaturas e para formação de blocos parlamentares, quando vai acontecer a sessão preparatória. “Preciso saber do cronograma para planejar a campanha”, disse.

O líder do PSD anunciou ontem que vai começar a viajar em janeiro pelos Estados em busca de votos. Também candidato à sucessão na Casa, o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), disse que fará uma agenda de campanha nos Estados no próximo mês. / COLABOROU DAIENE CARDOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.