Maia diz que Câmara vai enviar resposta ao STF nesta quinta

Presidente da Câmara afirma ter certeza que plenário da Corte vai decidir sobre liminar 'com respeito à soberania do Parlamento'

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2016 | 23h13

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a assessoria jurídica da Casa vai enviar ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma resposta à liminar sobre a tramitação do pacote anticorrupção já nesta quinta-feira, 15.

Para ele, a decisão do ministro Luiz Fux de que a Câmara deverá analisar novamente a proposta “fere um pouquinho” o rito de tramitação dos projetos no Congresso. “Nós vamos ler com o cuidado (a liminar). O ministro Fux é um ministro pelo qual temos muito respeito. Não queremos gerar nenhum tipo de conflito na relação da Câmara com o Poder Judiciário, mas de fato gerou um pouco de perplexidade a decisão que foi encaminhada à Casa”, disse.

Maia afirmou ainda que “não houve nenhum tipo de irregularidade” durante a votação do pacote anticorrupção na Câmara e defendeu que é prerrogativa dos parlamentares legislar. “Eu acho que nós vamos superar isso, vamos mostrar ao ministro Fux onde estão os problemas da liminar dada por ele. Tenho certeza que o plenário (do Supremo) vai decidir respeitando a soberania do Parlamento”, afirmou.

O projeto foi votado pelos deputados na madrugada de 30 de novembro. De iniciativa popular, o texto, que ficou conhecido como as  "10 medidas contra a corrupção", teve o patrocínio do Ministério Público.

Durante a votação, porém, os deputados derrubaram vários pontos considerados importantes do projeto. Também incluíram a possibilidade de punir por abuso de autoridade magistrados, procuradores e promotores. As modificações foram duramente criticadas pela força-tarefa da Lava Jato, que classificou a atitude dos parlamentares como uma retaliação por causa das investigações sobre o esquema de corrupção da Petrobrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.