Ricardo Nogueira|EFE
Ricardo Nogueira|EFE

Lula vira réu em ação penal da Operação Zelotes

Ex-presidente, seu filho e dois lobistas são acusados de organização criminosa e lavagem de dinheiro

Redação, O Estado de S. Paulo

17 Dezembro 2016 | 08h17

BRASÍLIA - A Justiça Federal aceitou integralmente a denúncia do Ministério Público Federal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o filho dele, Luís Cláudio Lula da Silva, e dois lobistas na Operação Zelotes. A decisão foi tomada na noite de ontem pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara, em Brasília. As acusações do Ministério Público Federal foram recebidas contra os quatro acusados. Esta é a quarta ação penal contra o ex-presidente.

Na denúncia, encaminhada na sexta-feira da semana passada à Justiça, os procuradores da Zelotes sustentam que o ex-presidente praticou tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A Luís Cláudio são atribuídos somente estes dois últimos crimes.

Os dois são acusados de negociar e receber R$ 2,5 milhões do casal de lobistas Mauro Marcondes Machado e Cristina Mautoni, também denunciados, a pretexto de influenciar a prorrogação, pelo governo, de incentivos fiscais a montadoras de veículos e a compra dos caças Gripen, da sueca Saab, por US$ 5,4 bilhões. O caso foi revelado pelo Estado em série de reportagens publicada em 2015.

A reportagem não conseguiu contato com advogados do ex-presidente e do casal na noite de ontem. A Justiça Federal não se pronunciou sobre a decisão.

Outras ações. Lula já era réu em três ações. Numa delas, o MPF sustenta que o ex-presidente agiu para obstruir ação da Justiça ao, supostamente, tentar barrar a delação premiada do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró na Operação Lava Jato.

Em outra, é acusado de lavagem de dinheiro e corrupção por receber “vantagens” de empreiteiras da Petrobrás na forma de benfeitorias em um triplex no Grarujá. O terceiro processo, também de corrupção e tráfico de influência, trata do possível pagamento de vantagens relacionadas a um empreendimento em Angola. O caso envolve o petista e o sobrinho de sua primeira mulher.

A nova denúncia diz que entre 2013 e 2015 o ex-presidente se associou aos lobistas na tarefa de “vender” aos seus clientes, por “cifras milionárias”, a promessa de que ele poderia interferir junto ao governo de Dilma Rousseff para viabilizar seus interesses. Durante as investigações, não foram detectados indícios de que a então presidente tivesse conhecimento do suposto esquema.

“A pretexto dessa jactada influência, enriqueceu a si e a familiares”, diz trecho da peça de acusação do Ministério Público Federal, obtida pelo Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.