1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Lula sobre mensalão: 'massacre era apoteótico'

BEATRIZ BULLA, GABRIELA LARA, JOSÉ ROBERTO CASTRO E MÁRIO BRAGA - Agência Estado

08 Abril 2014 | 13h 45

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a comentar o julgamento do mensalão em entrevista a blogueiros. Lula disse nesta terça-feira que a imprensa teve um papel de condenação explícita antes de cada sessão. "Nunca vi nada igual. O massacre era apoteótico", afirmou. O PT, como partido, depositou a esperança na briga jurídica na questão do mensalão, afirmou. "Nós ficamos pensando juridicamente numa ação que estava sendo pensada politicamente", disse.

O petista comparou o tratamento dado à ação penal 470 ao processo conhecido como "mensalão mineiro", que tem ligações a lideranças do PSDB, como Eduardo Azeredo, que renunciou ao mandato de senador para cuidar da defesa. "O que aconteceu com o mensalão, eu não vi agora no caso de Minas Gerais. Ninguém gritou e o processo voltou para (a Justiça de 1ª instância de) Minas Gerais", comentou. "Ou seja, são dois pesos e duas medidas".

Sobre a prisão de seu ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, Lula disse que ele deveria estar em prisão domiciliar e que o que acontece com ele é um "abuso muito grave do poder e da lei. "Os mesmos que defendiam a forca para o Zé Dirceu defendem julgamento civilizado e tranquilo aos outros. É o que deveria ser para todos", avaliou.

Barbosa

Questionado se tinha arrependimento pela indicação de Joaquim Barbosa ao Supremo Tribunal Federal, devido à atuação do ministro no julgamento do processo do mensalão, Lula respondeu que não. "Não indiquei o Barbosa para julgar o mensalão, mas porque eu queria que a gente tivesse um advogado negro na Suprema Corte brasileira", disse, afirmando ainda que, de todos os currículos na época, o de Barbosa era o melhor.

"O comportamento dele é da inteira responsabilidade dele", disse Lula. Ele afirmou que se fosse presidente hoje e tivesse as informações de Joaquim Barbosa que recebeu na época, o nomearia de novo como ministro. O ex-presidente afirmou ainda que, no caso do mensalão, avalia que "teve gente que se comportou equivocadamente". Mas ele destacou que o STF também realizou julgamentos importantes, como a aprovação do uso de células-tronco embrionárias em pesquisas e o reconhecimento da união civil entre pessoas do mesmo sexo.

"Uma coisa que é grave é que tem muita gente falando demais na Suprema Corte. Ela tem de se manifestar nos autos do processo", criticou. Ele disse que "alguns inclusive mentiram descaradamente". "Eu fiquei desconjurado com muitas coisas. Felizmente, caiu o crime de quadrilha, lavagem de dinheiro do João Paulo, porque as pessoas precisam provar alguma coisa", disse. Ele criticou a teoria do domínio do fato e disse que foi um "achado extraordinário", segundo a qual não se tem que "provar nada".

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo