1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lula reúne aliados para discutir estratégias em momento de crise

- Atualizado: 07 Março 2016 | 13h 22

Um dos temas centrais do encontro no Instituto Lula é como vencer a batalha contra a Lava Jato no campo da opinião pública

O ex-presidente Luiz Inácio da Silva está na sede de seu instituto no Ipiranga, região sudeste de São Paulo. Ele deve se reunir nesta segunda-feira, 7, com diretores do Instituto, aliados, amigos e parlamentares para discutir estratégias depois de ter passado oficialmente à condição de investigado na Lava Jato. O presidente do Instituto, Paulo Okamotto, os diretores Clara Ant, Celso Marcondes, Luiz Dulci e Paulo Vannuchi estão presentes. Também comparecem o escritor Fernando Morais, o ex-presidente do PT-SP Paulo Frateschi e os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e Wadih Damous (PT-RJ). O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, também está no instituto.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Segundo apurou o Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, um dos temas centrais do encontro é como vencer a batalha contra a Lava Jato no campo da opinião pública. De acordo com aliados, é importante aproveitar a percepção crescente entre a população de que levar Lula para depor à força na sexta-feira, 4, foi um excesso do juiz Sérgio Moro.

Para tanto, avalia-se que é importante esclarecer o episódio do depoimento adiado do ex-presidente ao Ministério Público de São Paulo. Em 17 de fevereiro, Lula iria depor no fórum criminal da Barra Funda, na capital paulista, e um aliado - o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) - conseguiu adiar o depoimento recorrendo ao Conselho Nacional do Ministério Público. Nesse dia, houve confusão e pancadaria entre grupos pró e contrários ao ex-presidente reunidos em frente ao fórum. Neste inquérito, conduzido pelo Ministério Público em São Paulo, Lula é investigado por suposta ocultação de patrimônio ligada à propriedade de um tríplex no Guarujá, no litoral paulista.

Oficialmente, a decisão de Moro, da Justiça Federal em Curitiba, acatou o pedido dos procuradores de levar Lula a depor coercitivamente para evitar tumulto. De acordo com aliados, no entanto, a população confunde os aftso e acrrdita que Lula "fugiu" de um depoimento para a Lava Jato no dia 17. A avaliação é de que esclarecer essa questão do depoimento "é fundamental".

O Instituto Lula divulgou nota esclarecendo que o processo do dia 17 é referente a uma investigação do Ministério Público de São Paulo e não da Lava Jato. Também houve nota reforçando que Lula depôs três vezes desde o fim do ano passado. Em outubro, falou ao MPF sobre palestras pagas por empreiteiras, em dezembro à Lava Jato e, em janeiro, na operação Zelotes, que investiga venda de medidas provisórias.

Ainda assim, a avalia-se que a comunicação precisa ser trabalhada. "Temos que dialogar com o povo brasileiro. Vamos explicar como são feitas as palestras, como aconteceram, em que países aconteceram. Vamos explicar o que se faz com os recursos do Instituto Lula, pra desmistificar", disse Okamotto ao chegar para a reunião.

Damous, que saiu no meio do encontro, disse que até aqui há uma avaliação "positiva" do que aconteceu na semana passada, porque a Lava Jato "deu uma tribuna" ao Lula. "Foi positivo porque a Lava Jato cometeu um erro gravíssimo ao cometer aquela agressão contra o presidente, deram uma tribuna ao Lula", comentou.

O encontro também discute como rebater a manifestação pró-impeachment marcada para o próximo domingo, 13. Segundo Damous, por enquanto a melhor hipótese seria não fazer manifestações contrárias no mesmo dia. O deputado diz que a ideia é manter a manifestação de centrais sindicais e de movimentos populares prevista para 31 de março - em uma lembrança à data do golpe militar de 1964, com argumento de evitar um novo "golpe" contra a democracia brasileira. Outra hipótese colocada na mesa é a organização de uma manifestação no dia 18. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX