1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lula pode se tornar assessor especial da Presidência se não for ministro, diz Wagner

- Atualizado: 23 Março 2016 | 16h 07

Em entrevista à imprensa estrangeira, Wagner voltou a criticar o impeachment, alertando que ele significará um agravamento da crise

Rio - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá assumir o cargo de assessor especial da Presidência da República caso o Supremo Tribunal Federal (STF) mantenha suspensa sua nomeação como ministro-chefe da Casa Civil, afirmou nesta quarta-feira, 23, o ministro Jaques Wagner, chefe do Gabinete Pessoal da presidente Dilma Rousseff.

"Se não desobstruir no Supremo a nomeação dele, pessoalmente sou favorável a convocá-lo como assessor especial da Presidência. O que é importante é que ele tenha um grau de institucionalidade para estar em Brasília não como um cidadão, mas como parte de um projeto político e do governo, para conversar com parlamentares e senadores", disse, em entrevista a correspondentes de veículos estrangeiros no Palácio do Itamaraty, no Rio de Janeiro.

Wagner defendeu o convite feito a Lula para integrar o governo, afirmando foi correto "convocar o melhor jogador" do PT para a maior disputa política já enfrentada pelo partido em 13 anos de governo. Segundo ele, o convite para a Casa Civil foi simbólico por ser o posto mais referenciado do governo depois da presidência. Wagner espera que até o início da próxima semana Lula esteja trabalhando como membro do governo.

O chefe do Gabinete da presidente voltou a criticar o processo de impeachment, reafirmando que se trata de um golpe articulado pela oposição e uma ameaça à democracia.  Para Wagner o que busca é instituir a lógica de que um governo impopular pode ser objeto de impedimento. 

"Definitivamente não há nenhum crime de responsabilidade. E apesar de ser forte a palavra golpe é porque efetivamente é um golpe. Não precisa ser militar, pode ser até sutil como eles estão tentando fazer agora. É golpe porque é mau uso do dispositivo constitucional", afirmou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX