1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Lula não pode usar de subterfúgios para fugir à lei', diz Alckmin

- Atualizado: 04 Março 2016 | 21h 50

Governador de São Paulo, que encontrou-se com Dilma nesta sexta, afirma, ainda, que é preciso acelerar a discussão sobre o processo de impeachment da presidente

BRASÍLIA - Após reunir-se com a presidente Dilma Rousseff e governadores nesta sexta-feira, 4, para tratar da renegociãção da dívidas dos entes federativos, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) c0mentou a condução coercitiva do ex-presidente Lula nesta sexta para depor à Polícia Federal, Alckmin repetiu outros governadores e disse que ninguém está acima da lei. "O Lula sempre se vangloriou de que, pela primeira vez na história do País, a Polícia Federal teria independência. O ex-presidente tem todo o direito de defesa, mas não pode usar de subterfúgios para fugir à lei", disse.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB)

O governador relatou que a presidente explicou aos chefes de Executivo estaduais a sua participação na questão da refinaria de Pasadena e entregou um documento com explicações a cada um deles. Em tratativa de delação premiada, o senador Delcídio Amaral afirmou que a presidente conhecia todos os detalhes da compra da refinaria.

Ainda assim, Alckmin reforçou que é preciso acelerar a discussão sobre o processo de impeachment da presidente. "É preciso acelerar as discussões, inclusive no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), valorizar a Justiça e cumprir a Constituição. O Brasil não pode continuar nesse impasse, o Brasil precisa continuar funcionando. Não se pode parar ainda mais o País, agravando o quadro econômico", comentou.

Dívida. Alckmin avaliou ainda que a questão da dívida dos Estados é extremamente relevante e considerou "inacreditável" a evolução do endividamento paulista após a última renegociação com a União. Segundo ele, em 1997, o governo estadual renegociou uma dívida de R$ 46,5 bilhões, desde então, pagou R$ 146 bilhões e hoje ainda deve R$ 222 bilhões.

"É inacreditável você pagar R$ 140 bilhões e ainda dever R$ 220 bilhões. O alongamento é necessário e importante", disse o governador, após reunião com a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, no Palácio do Planalto.

De acordo com ele, apesar da discussão sobre os juros da dívida dos Estados estar judicializada, é preciso avançar nas discussões mesmo sem uma decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF). "O Brasil não pode virar um país de rentistas. O Brasil é um país de empreendedores", acrescentou.

O governador evitou comentar sua posição em relação à volta da CPMF, mas disse que o governo federal precisa equacionar a sua situação fiscal que passaria também pelo corte ainda maior de gastos. "Mas sou favorável ao veto da repatriação de recursos do exterior. Achamos que o veto está correto e vamos defender a sua manutenção no Congresso. Esses recursos devem ser usados para a reforma estruturante da questão tributária", disse.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX