Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

'Lula está ciente de que não há provas contra ele, mas apenas ilações', diz secretário do PT

Emídio de Souza afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve tranquilo durante todo tempo que antecedeu o início de seu depoimento

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 18h51

CURITIBA - O secretário da Tesouraria Nacional do Partido dos Trabalhadores e ex-prefeito de Osasco, Emídio de Souza, disse em entrevista ao Broadcast que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve tranquilo durante todo tempo que antecedeu o início de seu depoimento nesta terça-feira, 13, ao juiz Sérgio Moro, na Justiça Federal de primeira instância do Paraná.

De acordo com Emídio, Lula estava e está ciente de que de que não há uma única prova nas acusações apresentadas contra ele pelo Ministério Público. "Não há uma única prova, são apenas ilações. E o processo judiciário brasileiro tem que seguir baseado em provas. Não é concebível que uma pessoa, principalmente o presidente da República, com o histórico que ele tem seja condenado baseado em ilações de pessoas cujo único objetivo não é falar a verdade e sim sair da cadeia, diminuir a sua pena", disse o secretário do PT.

 

Perguntado se a sua crítica vale para o ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Antonio Palocci, que na semana passada acusou Lula e Dilma de envolvimento em atos de corrupção envolvendo a empreiteira Odebrecht, Emídio disse que sim. "Claro, isso vale também para o Palocci. Delação premiada para quem está preso é isso. A pessoa fala qualquer coisa para sair. O valor disso é pequeno", disse o petista, que estava acompanhado de outros caciques do PT que vieram a Curitiba prestar apoio a Lula.

Emídio disse esperar que o juiz Moro se comporte não pelo o que os inimigos do Lula querem. "Esperamos que o Moro se comporte pelo o que está na lei. É essa a nossa expectativa", disse o secretário da Tesouraria Nacional do PT.

Questionado sobre qual é o sentimento dentro do Partido dos Trabalhadores de ver uma pessoa da envergadura de Palocci dentro da sigla fazer delações que o partido considera mentirosas, Emídio disse que é de muita tristeza. "É triste porque mostra que o ser humano submetido à prisão é capaz de qualquer coisa para se livrar da prisão. E é o que o Palocci está fazendo. Ele está inventando uma história, mentindo para se livrar da cadeia", criticou.

Ainda de acordo com o ex-prefeito de Osasco, Palocci optou pelo caminho de renegar a história dele e de, principalmente, inventar uma história que era de encomenda. "A história que Palocci contou é uma história encomendada para garantir a liberdade dele e para tentar incriminar o Lula. Então Palocci optou por um caminho lamentável que é triste para nós do PT", disse Emídio.

Ele afirmou que não nega a importância de Palocci para o PT como militante, ex-prefeito e ministro que o País todo aprendeu a ter respeito, mas que o que está em jogo agora é o ser humano que está preso. "E eles estão se aproveitando dessa fragilidade do Palocci para extrair dele uma história que não tem nada de verdade", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.