Divulgação e Reuter
Divulgação e Reuter

Lula e Dilma decidem não votar neste segundo turno

PT não disputa as prefeituras nos municípios onde os dois últimos ex-presidentes eleitos votam: São Bernardo do Campo e Porto Alegre

Aline Bronzati, Elizabeth Lopes e Ricardo Galhardo, enviado a Porto Alegre, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2016 | 14h38

São Paulo - Os dois últimos ex-presidentes eleitos, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) decidiram não votar neste segundo turno das eleições municipais. O PT não participa mais da disputa nas duas cidades onde eles poderiam votar: São Bernardo do Campo (SP) e Porto Alegre (RS).

A informação oficial é de que Lula decidiu não comparecer às urnas hoje porque tem 71 anos, completados na última quinta-feira, dia 27. Conforme as regras do Tribunal Superior Eleitoral, o voto é facultativo para as pessoas acima dos 70 anos. Segundo apurou o Broadcast, contudo, a decisão do ex-presidente seria uma forma de protesto ao atual cenário político no Brasil.

A manhã foi tranquila em frente ao prédio onde ele mora, em São Bernardo. Nem ele nem familiares foram vistos. Somente seguranças do petista entraram e saíram do condomínio.

Na cidade que é governada, desde 2008, pelo petista Luiz Marinho, considerado afilhado político do ex-presidente, o candidato do PT, Tarcísio Secoli, ficou em terceiro lugar na disputa do primeiro turno. Disputam a prefeitura de São Bernardo neste segundo turno, no domicílio eleitoral de Lula, os candidatos Alex Manente, do PPS, que teve 28,41% dos votos no primeiro turno, e Orlando Morando, do PSDB, com 45,07%. Ambos já foram votar.

Belo Horizonte. Já a ex-presidente Dilma não votou no segundo turno da eleição em Porto Alegre, onde tem domicílio eleitoral, pois, segundo a assessoria da petista, está em Belo Horizonte, onde foi visitar a mãe. 

No primeiro turno a ex-presidente apoiou publicamente e participou da campanha de Raul Pont (PT), que ficou em terceiro lugar com 16% dos votos. A votação de Dilma foi marcada por tumultos depois que um juiz proibiu a presença da imprensa na sessão onde a ex-presidente vota. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.