Lula diz que Dilma será sua candidata à Presidência em 2014

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que a presidente eleita Dilma Rousseff será sua candidata à reeleição em 2014 e que ela só não disputará a eleição se não quiser.

REUTERS

27 Dezembro 2010 | 12h54

"Em 2014, eu trabalho com a ideia fixa de que a nossa companheira Dilma será outra vez a candidata à Presidência da Republica do Brasil", afirmou o presidente durante encontro com jornalistas no Palácio do Planalto.

"Só existe uma hipótese de a Dilma não ser candidata. É ela não querer ser candidata. Mas, na minha opinião, é líquido e certo o direito de ela ser candidata à reeleição. E ela sabe disso", acrescentou.

Segundo Lula, é justo e legítimo que quem está no exercício do mandato, e fazendo um bom governo, continue a governar.

Na semana passada, em entrevista ao programa É notícia, da Rede TV, Lula disse que não poderia afastar a possibilidade de concorrer novamente. "Não posso dizer que não porque sou vivo. Sou presidente de honra de um partido, sou um político nato, construí uma relação política extraordinária", argumentou.

As especulações sobre a volta de Lula à Presidência são recorrentes e em alguns momentos ele deixa a porta aberta para um retorno, em outros diz que não disputará mais eleições.

Desta vez, ele insistiu que a discussão sobre o pleito de 2014 só interessa aos adversários de Dilma e fez um alerta aos integrantes do novo governo para que não caiam nesse debate.

"Portanto, eu acho que é muito cedo para a gente discutir 2014, nem começamos em 2011. E quem está no governo precisa trabalhar com muito carinho para evitar que isso seja a tônica do mandato. Isso interessa a quem? Isso interessa a quem quer concorrer contra a Dilma", disse.

Segundo ele, alguns adversários vão querer transformar 2014 em pauta diária. "E cabe a quem está no governo governar e não ficar preocupado com 2014", acrescentou.

(Por Jeferson Ribeiro)

Mais conteúdo sobre:
POLITICA LULA DILMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.