Para Lula, ‘quem roubou não pode chamar PT de ladrão’

No Piauí, ex-presidente cita o ministro Jaques Wagner ao falar de renovação política de líderes políticos no Brasil

Luciano Coelho, ESPECIAL PARA O ESTADO , O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2015 | 02h03

Cumprindo agenda no Piauí, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou na noite de anteontem que não se pode admitir que quem “roubou a vida inteira” chame o “PT de ladrão”. “O que não se pode admitir que gente, que a gente sabe que roubou a vida inteira, venha a chamar o PT de ladrão”, disse Lula durante um evento de educação no hotel Blue Tree, em Teresina. 

Mais cedo, no mesmo dia, o ex-presidente recebeu o título de cidadão piauiense e teresinense, na Assembleia Legislativa do Piauí. 

Lula citou o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, ao falar da necessidade de renovação dos líderes políticos do País, na manhã de ontem no Piauí. “Acho que eu cumpri a missão da minha vida. Eu tenho consciência que poucos presidentes fizeram pelo povo, o que eu fiz. Eu estou na área, mas acho que precisamos ter novos líderes. Estou analisando o jogo, vendo taticamente. Temos, por exemplo, o Jacques Wagner, que é ministro, foi três vezes governador da Bahia.” 

Ele reiterou que a presidente Dilma Rousseff foi eleita democraticamente. “Hoje quem a xinga, amanhã vai pedir desculpas. Eu digo que é possível reconquistar essa gente. Todos sabem as mudanças que fizemos. Não vamos fazer o jogo dos nossos adversários”, ressaltou. 

Lula voltou a afirmar que está com a “cabeça tranquila” ao falar da Operação Lava Jato, em que delatores têm apontado suspeitas sobre ele e familiares.

Mais conteúdo sobre:
Lula PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.