1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lula agenda reunião com Dilma e diz que ela precisa 'ousar mais'

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 16h 59

Ex-presidente deve se encontrar com sua sucessora em Brasília nesta segunda-feira, 29

Sugestão do ex-presidente Lula pode ser acatada por Dilma Rousseff
Sugestão do ex-presidente Lula pode ser acatada por Dilma Rousseff

Rio - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcou uma conversa com a presidente Dilma Rousseff para a próxima segunda-feira, 29, em Brasília. Em conversa com amigos, nos últimos dois dias, Lula disse que pretende convencer Dilma da importância de dar uma guinada na política econômica, liberar o crédito e lançar um pacote de investimento público.

“Ela precisa ousar mais”, afirmou o ex-presidente aos interlocutores, ao expressar contrariedade com o ajuste fiscal. Do Chile, onde se encontra em visita de trabalho, Dilma avisou que não comparecerá neste sábado à festa de 36 anos do PT, no Rio, ao lado de Lula. Afirmou que o contratempo ocorreu por causa da agenda apertada em Santiago, e não por estar aborrecida com as críticas do PT ao governo. Nos bastidores, porém, auxiliares da presidente admitem que a relação entre o PT e o Palácio do Planalto está muito tensa. 

Lula deu aval ao Programa Nacional de Emergência lançado nesta sexta-feira pela cúpula do PT, com o motivo de demarcar as diferenças entre a política econômica de seu governo, mesmo em tempos de crise, e a que é adotada agora. Na lista das medidas sugeridas para enfrentar a turbulência está o uso de parte das reservas internacionais destinado à criação de um Fundo Nacional de Desenvolvimento e Emprego. Dilma já disse que é contra a utilização dessas reservas.

O PT teme perder ainda mais base social neste ano de eleições municipais, num momento em que enfrenta denúncias de corrupção, o desemprego bate nos dois dígitos e o governo planeja reformar a Previdência. A insatisfação aumentou ainda mais com o anúncio de que o ajuste de longo prazo prevê a suspensão do aumento real do salário mínimo e atingiu o ápice com o apoio do Planalto ao projeto que retirou da Petrobrás a exclusividade para a exploração da camada do pré-sal.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX