1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lobista não tinha aval para pedir em nome de entidade, diz ex-diretor da Anfavea

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 12h 25

Paulo Sotero Pires Costa depôs em audiência da Operação Zelotes como testemunha de defesa de Mauro Marcondes Machado, mas afirmou que seu compromisso era dizer o que sabe

BRASÍLIA - O ex-diretor executivo da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) Paulo Sotero Pires Costa afirmou nesta terça-feira, 2, que o lobista Mauro Marcondes Machado não tinha autorização para pedir, em nome da entidade que representa o setor automotivo como um todo, incentivos fiscais para empresas específicas. Machado é réu em ação penal da Operação Zelotes, que apura suposta "compra" de medidas provisórias que concederam os benefícios a montadoras. 

O lobista Mauro Marcondes
O lobista Mauro Marcondes

O ex-diretor executivo, que esteve na Anfavea de 1995 a 2013, depôs nesta terça à Justiça Federal por videoconferência como testemunha de defesa de Marcondes. O réu foi vice-presidente da associação, indicado por empresas como a Scania e MMC Automotores (que fabrica veículos Mitsubishi no Brasil). Paralelamente, mantinha um escritório que fazia lobby para montadoras em órgãos públicos, entre elas a MMC e a CAOA (que monta modelos Hyundai). 

Informado de que, conforme o Ministério Público Federal, o lobista se apresentava em órgãos públicos como representante da associação dos fabricantes, Sotero declarou: "Desavisadamente, porque ele reivindicava benefícios para as empresas. Isso tem sido criticado. Se ele fez isso, não poderia ter feito, não. Ou vai defender questão do setor ou se apresenta: 'olha tenho interesse específico nessa empresa'".

Sotero disse que, embora prestasse depoimento como testemunha de defesa de Marcondes, seu compromisso era dizer o que sabe. "Não tenho o que defender (sobre a acusação a Marcondes), porque desconheço esses fatos que são notórios nos jornais", disse. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX