1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

Lobão rebate críticas de Marina ao setor elétrico

NIVALDO SOUZA - Estadão Conteúdo

27 Agosto 2014 | 20h 21

Em um discurso de mais de meia hora, durante a posse de recondução da diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, rebateu com firmeza críticas dirigidas contra a condução da política energética no governo Dilma Rousseff. "Certos analistas se anteciparam (em 2013) em fazer prognósticos catastróficos de apagão. Essa situação não se confirmou diante da robustez do sistema", afirmou.

Ao ser questionado se a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, está entre esses analistas, após esta ter afirmado nos últimos dias que o setor elétrico na gestão Dilma vive uma crise e que o ministério não tem pessoas capacitadas tecnicamente, Lobão disse que sim, argumentando que as críticas dela "não correspondem à realidade".

No final de julho, ainda ao lado de Eduardo Campos, Marina afirmou que "hoje temos um ministro de Minas e Energia que não entende nada de energia". "Eu sei que ela disse isso. Esse é o conceito dela, não é o meu. Os fatos não demonstram isso (crise energética e técnica) e se eles não demonstram é porque é o contrário", rebateu Lobão.

O ministro avaliou a política energética da gestão do PT como eficiente para evitar a repetição do apagão de 2001. "Houve um racionamento há pouco mais de dez anos, que ninguém desejou, mas que veio pela imposição daquele momento. O ministério tomou todas as providências para que aquele momento não se repetisse", disse.

Lobão rebateu ainda as previsões em relação à seca experimentada desde 2013, o que levou à ligação das usinas termelétricas em tempo integral, encarecendo a energia no País, argumentando que "as previsões catastróficas não se realizaram". "Eles (críticos) queriam que repetíssemos 2001. Dizem que não tivemos coragem para determinar o racionamento (apagão). Nós tivemos coragem para não determinar, porque não foi necessário", afirmou.

Segundo ele, o que garantiu o abastecimento foram os investimentos federais na última década, para aumentar em 60% a capacidade de geração de energia e a ampliação das linhas de transmissão em 54%, destacando a construção de 16 quilômetros de linhões de rede no governo Dilma. "Em 2018, após 15 anos de grandes investimentos, vamos dobrar a extensão do sistema de transmissão", afirmou.

Apesar dos números positivos, Lobão justificou que os últimos aumentos na conta de luz dos consumidores autorizados pela Aneel nos últimos dois meses foram "reajustes que visam dar sustentabilidade ao sistema".

O ministro afirmou ainda que novos leilões de contratação de energia serão realizados neste ano para aumentar a oferta no longo prazo.

Eleições 2014

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo