Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Líder do PT na Câmara promete mobilização contra Temer

Na tramitação da primeira denúncia, o PT foi acusado de não trabalhar para derrubar o peemedebista. O raciocínio era de que o partido se beneficiaria com o desgaste de Temer nas eleições de 2018

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2017 | 20h59

BRASÍLIA - Líder do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) afirmou nesta quinta-feira, 14, que a segunda denúncia apresentada contra o presidente Michel Temer nesta quinta-feira, 14, mostra que o “Brasil está sob comando de uma verdadeira organização criminosa”.

Em nota, o líder petista diz que a bancada do partido na Câmara “vai se empenhar na luta pelo afastamento de Temer” e que vai procurar mobilizar “o povo brasileiro” a manifestar-se nas ruas.

Durante a tramitação da primeira denúncia, o PT foi acusado de não trabalhar para derrubar o peemedebista. O raciocínio era de que o partido se beneficiaria com o desgaste de Temer nas eleições de 2018.

Segundo o líder petista, o governo Temer está “manchado por escândalos” e não tem “legitimidade” para colocar em prática as “propaladas reformas”, como a da Previdência e o programa de privatizações anunciado no mês passado. “É um governo corrupto e ilegítimo que deve ser afastado o quanto antes, para o bem do povo brasileiro”, diz em nota.

O texto afirma ainda que diversas suspeitas recaem sobre Temer, como o inquérito aberto esta semana para investigar o decreto dos Portos, a mala de dinheiro da JBS recebida pelo ex-assessor Rodrigo Rocha Loures e a apreensão recorde de R$ 51 milhões encontrados em um apartamento ligado ao ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Também afirma que há denúncias sobre compra de votos tanto para garantir a aprovação do impeachment da “presidenta legítima Dilma Rousseff” e para a eleição à presidência da Câmara do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso na Lava Jato.

Para que o Suprem Tribunal Federal (STF) possa analisar a denúncia contra Temer, a Câmara tem que autorizar o seguimento do processo. Caso a denúncia seja aceita pela Corte, Temer é afastado por 180 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.