1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Líder do PSC diz que sigla continua no 'blocão'

Erich Decat - Agência Estado

14 Março 2014 | 14h 23

Quatro partidos da base aliada já deixaram grupo de insatisfeitos com governo federal capitaneado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Brasília - Em meio à debandada de alguns partidos da base aliada do "blocão" dos descontentes com a articulação política do governo Dilma Rousseff, o líder do PSC na Câmara, André Moura (SE), afirmou nesta sexta-feira, 14, que o partido "não vai recuar" e permanecerá fazendo parte do grupo.

"Temos uma posição firme e não temos que mudar nem recuar. Permanecemos no blocão e vamos nos manter na posição que adotamos", afirmou o deputado.

Após o PP, PDT e PROS anunciarem a debandada do grupo dos insatisfeitos com o Palácio do Planalto, nesta sexta, foi a vez do presidente nacional do PR, senador Alfredo Nascimento (AM), ir a campo contra a permanência do partido no bloco. O grupo, no entanto, ainda conta com os partidos da base aliada PMDB, PSC, PTB e um de oposição, o Solidariedade.

Em conversa com o Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, Alfredo Nascimento informou que uma série de reuniões foi feita nesta semana entre ele, a bancada do partido na Câmara e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que resultou em um entendimento.

"O PR sai do blocão. Existia de fato uma insatisfação muito grande principalmente na Câmara dos Deputados. Mas tivemos reuniões de um grupo de deputados e mais o ministro (da Casa Civil) Mercadante. Todas as arestas não foram aparadas, mas algumas foram e acho que já tem condições de manter diálogo com o governo que estava muito ruim", afirmou Alfredo Nascimento.

Segundo André Moura, mesmo que o PSC também seja chamado para conversar com o ministro da Casa Civil, a legenda permanecerá no blocão. "Não sentei para conversar com o ministro Mercadante. O diálogo é sempre salutar, mas a posição do PSC já está tomada e não vamos recuar e permanecemos no blocão", afirmou o líder.