1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Líder do PMDB no Senado diz que acordo de Temer e Renan prevê que ministros entreguem cargos

- Atualizado: 28 Março 2016 | 20h 55

Com a decisão, tomada na tarde desta segunda, cargos ocupados por peemedebistas vão ficar à disposição da presidente Dilma Rousseff; com a saída de Alves, políticos do PMDB ocupam no momento seis ministérios

Brasília - O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou no começo da noite desta segunda-feira, 28, que foi fechado um acordo entre o presidente do partido Michel Temer, vice-presidente da República, e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para que os ministros do partido entreguem os cargos. O encontro antecedeu a convenção do PMDB, marcada para a tarde desta terça-feira, 29, que deve determinar o rompimento da aliança com o governo Dilma.

Eunício, que também é tesoureiro da legenda, participou do encontro dos dois realizado, na tarde desta segunda-feira, na residência oficial do presidente do Senado. O líder peemedebista ressaltou que, com a decisão, os cargos ficarão à disposição da presidente Dilma Rousseff e não poderão ser mais considerados cota do partido no governo.

Nesta segunda-feira, o ministro do Turismo, Henrique Alves (PMDB-RN), pediu exoneração do cargo por carta enviada à presidente Dilma. Aliado de Temer, Alves escreveu que o “diálogo” com o governo se “exauriu”.

Sem contabilizar o ministério antes ocupado por Alves, o PMDB ainda tem seis pastas na Esplanada dos Ministérios. Segundo o líder do PMDB no Senado, a tendência é que não haja qualquer prazo extra para os ministros devolverem os postos. "Se ficar (no cargo), estará na cota pessoal da presidente", explicou Eunício.

Conforme publicou mais cedo o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, a tendência é que a decisão de desembarque do governo deverá ocorrer por aclamação.

Logo depois do encontro entre Renan, Temer e Eunício, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, referendou a primeira baixa do partido ao pedir exoneração do cargo. Segundo informações de bastidores, os ministros de Minas e Energia, Eduardo Braga, e da Saúde, Marcelo Castro, são os dois que mais resistem a devolver os cargos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX