Líder do governo defende Renan e diz ter comprovantes

Objetivo da defesa é comprovar a obtenção de rendimentos por Renan

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 15h13

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB), fez a defesa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), na sessão do Conselho de Ética, sobre representação contra o senador por suposta quebra de decoro parlamentar. A estratégia de defesa foi definida na manhã desta sexta-feira, 15, em reunião com o próprio Renan. Romero Jucá disse ter disponíveis documentos, cópias de notas fiscais, registro de toda a comercialização de gado, cópias de cheques, comprovantes de depósitos bancários. O objetivo é comprovar a obtenção de rendimentos por Renan suficientes para pagar pensão da filha que tem com a jornalista Mônica Velloso. O senador Demóstenes Torres (DEM) disse que é preciso deixar claro que os documentos foram apresentados pelo próprio Renan e, portanto, é preciso avaliar a veracidade dos documentos. "Fica evidente que a absolvição sumária é um erro". "Nenhum dos senadores tem conhecimento científico para avaliar se o documento é bom ou não". Demóstenes defendeu que os documentos sejam enviados à perícia e pediu o adiamento da votação. E acrescenta: "Caso contrário, ficará para a opinião pública a suspeita de que o Senado Federal não agiu como deveria." Renan deixou o gabinete do senador Marconi Perillo (PSDB-GO) pouco antes do início da reunião, onde se reuniu com líderes do PSDB e do DEM, a quem apresentou documentação rebatendo as novas denúncias de notas frias sobre a venda de gado em Alagoas. Apesar de ter considerado os documentos de Renan "bastante consistentes" o líder do PSDB, senador Arthur Virgílio, mantém a posição de adiar a votação do relatório e pedir uma perícia do material. Renan afirmou que está convencido de que a verdade vai prevalecer. Ele disse que visitou nesta manhã os senadores, não para pedir que lhe concedam o direito da dúvida, mas sim para levar a verdade. "Hoje tive a oportunidade de esclarecer com recibos, notas de vacinas e cheques depositados na conta de vendas realizadas", disse Renan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.