1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Lewandowski nega liberdade a lobista preso na Zelotes

- Atualizado: 22 Janeiro 2016 | 14h 58

Alexandre Paes dos Santos, o APS, foi denunciado por envolvimento no suposto esquema de "compra" de medidas provisórias no governo federal

BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, negou nesta terça-feira, 5, o pedido de liberdade em caráter liminar (urgente) do lobista Alexandre Paes dos Santos, preso preventivamente na Operação Zelotes. O ministro destacou que não compete ao Supremo julgar um pedido cujo mérito ainda não foi analisado na instância inferior.

O lobista Alexandre Paes dos Santos, conhecido como APS, em depoimento à CPI do Carf em outubro de 2015 

O lobista Alexandre Paes dos Santos, conhecido como APS, em depoimento à CPI do Carf em outubro de 2015 

O pedido de habeas corpus foi protocolado ontem pela defesa de Santos no Supremo. Em dezembro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) havia negado o pedido liminar, mas ainda não julgou mérito da ação. Conhecido como APS, o doleiro foi denunciado por envolvimento no suposto esquema de "compra" de medidas provisórias no governo federal.

O pedido foi analisado pelo ministro-presidente, que é o responsável pelo plantão do Tribunal no período do recesso do Judiciário. Até 1º de fevereiro, quando termina o recesso, cabe a Lewandowski decidir apenas sobre ações que exigem urgência. O ministro avaliou que o pedido de habeas corpus em favor de Santos não se enquadra na exigência. 

O processo, no entanto, foi encaminhado para o gabinete da ministra Carmen Lúcia, que é relatora no STF dos processos envolvendo as investigações sobre compra de medidas provisórias. Ela ainda deverá reavaliar a decisão de Lewandowski, mas isso só vai acontecer depois do recesso. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX