Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Lava Jato não vai parar', diz Cármen Lúcia

Comentário foi feito durante julgamento que rejeitou recurso apresentado pela defesa de Michel Temer

Rafael Moraes Moura Breno Pires Beatriz Bulla Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 20h10

BRASÍLIA - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse nesta quarta-feira, 13, que a Operação Lava Jato não vai parar e garantiu que o Brasil tem instituições sólidas, entre elas o próprio Ministério Público. 

O comentário da ministra foi feito no julgamento em que a Corte rejeitou por unanimidade um recurso apresentado pela defesa do presidente Michel Temer, que queria afastar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, das investigações contra o presidente no caso JBS.

“A Operação Lava Jato, todos os processos que se referem à matéria penal, não vão parar porque muda um ou outro, por uma ou outra causa, ou suspeição, ou impedimento. O processo penal e a busca de apuração de erros praticados no espaço público, como se tem no espaço privado, não vão parar”, disse a presidente do STF.

Nesta tarde, por 9 a 0, os ministros do STF decidiram rejeitar um recurso formulado pela defesa de Temer para que Janot fosse afastado das investigações contra o presidente.

O mandato de Janot termina no próximo domingo, 17. Na segunda-feira, tomará posse a sua sucessora, Raquel Dodge. “Há instituições sólidas no Brasil, e o Ministério Público é uma delas, e o Poder Judiciário não permitirá, e este Supremo Tribunal Federal não permitirá, que a mudança de um nome, que o afastamento de um nome altere os rumos porque as instituições são mais importantes que as pessoas, evidentemente”, ressaltou Cármen Lúcia.

“Nós, servidores públicos, agentes públicos, somos todos passageiros. O que é permanente é a instituição. e a instituição do Ministério Público, como posto na Constituição, haverá de dar continuidade ainda que houvesse por exemplo a conclusão de que um determinado integrante, ainda que o seu chefe, fosse suspeito para atuar em determinado momento”, enfatizou a ministra.

Retomada. Na próxima quarta-feira (20), o STF retomará o julgamento de uma questão de ordem proposta pelo ministro Edson Fachin, a partir de questionamentos da defesa de Temer.

A defesa de Temer quer que uma eventual nova denúncia contra o presidente seja suspensa até que sejam esclarecidas as suspeitas de irregularidades em torno da delação da JBS.

Decano do STF, o ministro Celso de Mello afirmou que Janot tem "plena liberdade" para apresentar eventual segunda denúncia contra Temer até o dia em que deixar o cargo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.