Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

'Lava Jato não pode fazer o que está fazendo com o Rio', diz Lula

Em caranava, ex-presidente insinuou que operação tem a ver com situação financeira do Estado

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 23h24

MARICÁ - Em caravana há três dias pelo Espírito Santo e o Rio, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) insinuou, na noite desta quarta-feira, 6, que a Operação Lava Jato teria ajudado a quebrar o Rio de Janeiro.

++ Governada pelo PT, Maricá convoca servidores para verem comício de Lula

"A Lava Jato não pode fazer o que está fazendo com o Rio. É preciso fazer uma distinção: se um empresário errou, prende o empresário. Mas não precisa quebrar a empresa,  porque quem paga o pato é o trabalhador, que é inocente”, afirmou o petista. “Por causa de meia dúzia que eles dizem que roubou, e que ainda não provaram, não podem causar o prejuízo que estão causando à Petrobras", completou, em um ato em Maricá, cidade praiana a 60 quilômetros da capital fluminense governada pelo PT. 

O evento faz parte da caravana do petista no Rio e no Espírito Santo. A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também esteve presente no ato, que durou cerca de 25 minutos. O ex-presidente segue no estado do Rio até sexta-feira, quando passa pela capital. Na quinta-feira, estará na Baixada Fluminense. É sua terceira caravana em 2017.

"Eu nunca na minha vida vi o Rio tão pobre, infeliz, quase na falência. O governador não tem 1% de aprovação, o outro governador está preso, o outro também, a governadora também, o presidente da assembleia também. A política está em processo de destruição no País e o Rio é a grande vítima disso", continuou, referindo-se ao governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), aos ex-governadores Sérgio Cabral  (PMDB), Anthony Garotinho  (PR) e Rosinha Garotinho (PR) e ao presidente afastado da Alerj Jorge Picciani (PMDB).

++ TCU pode chamar Lula para explicar irregularidades na Petrobrás

Lula disse também que chegará à corrida presidencial de 2018 com disposição para ganhar: "Estou com 72 anos e o tesão de um homem de 20 para fazer política. Um homem de 72 não tem o direito de ter raiva, porque à noite não dorme direito. O que quero é que eles tenham raiva de mim para ficarem com azia todo dia. Se querem me derrotar, vão disputar comigo nas urnas. Se eles não sabem cuidar  desse país, eu sei."

Dilma defendeu Lula das acusações da Lava Jato e disse que a possibilidade de ele ser impedido de se candidatar, caso sua condenação seja confirmada em segunda instância, seria "a terceira etapa do golpe". "A terceira etapa é impedir que a gente volte. Querem tirar Lula porque eles não têm um candidato minimamente passável para o povo brasileiro', discursou.

População. O município de Maricá é governado pelo PT há oito anos. A filha de Lula Lurian da Silva é dirigente local da legenda e participou do ato. Durante o dia, a prefeitura mandou arrancar cartazes colados em  muros com dizeres contra o ex-presidente: "Fora de Maricá. Lula ladrão, seu lugar é na prisão". A segurança foi reforçada pela polícia por conta da possibilidade de haver protestos contra ele, mas nada aconteceu. A população de Maricá foi chamada a assistir o comício de Lula por carros de som que circularam desde segunda-feira pelas ruas. Na prefeitura, os servidores foram convocados.

Eles chegaram cedo à Praça principal da cidade para aguardar Lula. Às 17 horas, ainda no horário do expediente, servidores começaram a encher a praça.

Dois grupos entrevistados pela reportagem disseram apoiar o ex-presidente, mas declararam que iriam de qualquer forma ao ato, por terem sido assim orientados por seus superiores. Eles não  quiseram se identificar. 

Num outro grupo, funcionários da área de Assistência Social se diziam ansiosos para Lula chegar. "Quero muito vê-lo. Foi o melhor presidente do Brasil. Tenho certeza que pelo povo ele se elege ano que vem, mas vão fazer tudo para impedir", disse  ngela Santos, de 44 anos. A colega Ana Cláudia Silva, de 41 anos, acha que "não vão conseguir provar nada contra Lula". "O povo quer ele de volta".

O professor Arthur Cirilo, de 21 anos, teme que Lula concentre a rejeição dos brasileiros à corrupção. "Acham que  (o deputado Jair) Bolsonaro (PSC) é um salvador da pátria e vai deter a impunidade, o que não faz sentido. Ninguém lê nada, prefere ser massa de manobra. Lula nunca quis ser milionário, não é um Sergio Cabral (o ex-governador, aliado de Lula em seus mandatos, está preso há um ano por corrupção)".

O processo a que Lula responde no caso do triplex no Guarujá (SP) está no Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) e o julgamento deverá sair antes do início da campanha presidencial, possivelmente ainda no primeiro semestre de 2018. Se o TRF-4 confirmar a decisão da primeira instância, ele será barrado pela Lei da Ficha Limpa - ficará inelegível por sete anos.

Líder de todas as pesquisas de intenção de voto para presidente, Lula foi condenado em julho pelo juiz federal Sérgio Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz entendeu que ele recebeu o triplex como propina da construtora OAS em troca de contratos da empresa com a Petrobras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.