1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Juventude do PMDB faz ato de apoio a Pezão e Cabral

THAISE CONSTÂNCIO - Agência Estado

04 Abril 2014 | 14h 09

Com direito a bateria da escola de samba Mangueira, a Juventude do PMDB fez nesta sexta-feira, 4, um ato em apoio ao ex-governador e possível candidato ao Senado, Sérgio Cabral, e ao recém-empossado governador Luiz Fernando Pezão. Entre militantes e simpatizantes, cerca de cem pessoas aguardaram do lado de fora do Palácio Guanabara, em Laranjeiras, zona sul do Rio, a transmissão da posse.

Por volta de 12h30, o grupo hasteou bandeiras da Juventude peemedebista e, enquanto a bateria da Mangueira se posicionava ao lado da escadaria do Palácio, os manifestantes gritavam os nomes dos governantes e cantavam "O Cabral é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo". Pezão apareceu na sacada, acompanhado da primeira-dama, Maria Lúcia. Cabral e a mulher, Adriana Anselmo, estavam com o filho e pré-candidato a deputado estadual, Marco Antônio Cabral.

Os governantes se abraçaram e, em um gesto simbólico, Cabral e a mulher deixaram o Palácio em um carro oficial. Pezão e Maria Lúcia saudaram os manifestantes e voltaram para a sede do governo. Marco Antônio permaneceu ao lado da Juventude do PMDB.

Participantes

Moradora do complexo de favelas de Manguinhos, e sem filiação com o PMDB, Thaís Vieira, de 25 anos, foi ao ato com um grupo de amigas, para buscar melhorias para a comunidade. Todas foram convidadas por um militante. "Muita coisa melhorou, mas ainda tem muito para fazer. A UPP, por exemplo, não está muito boa". Na noite de 20 de março, a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Arará/Mandela, em Manguinhos, foi incendiada e o comandante da unidade, capitão Gabriel Toledo, foi ferido na virilha.

Vindos de Itaboraí, na Região Metropolitana, Carlos Otávio Teodoro, de 19, e Wanderson da Silva Neves, de 17, disseram que são "mais ou menos filiados" ao partido. Professores de capoeira em projetos sociais ligados ao vereador Anderson Pedrinha e sem filiação oficial, eles foram convidados pelo próprio vereador para ir ao Palácio das Laranjeiras. "Fomos convidados por ele, mas nem sabíamos o que era para fazer aqui. Só descobrimos quando chegamos".

Entre os diversos manifestantes, Udson Nascimento, de 28, é filiado ao PMDB há mais de 10 anos e informalmente ajudava na organização do ato de apoio a Pezão. "Sempre gostei das ideias do partido e, por isso, resolvi me filiar". Ele não convidou ninguém para participar da posse e foi apoiar Pezão por conta própria.