1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Justiça Federal acata denúncia contra Youssef e mais 5

JULIO CESAR LIMA, ESPECIAL PARA A AE - Agência Estado

23 Abril 2014 | 20h 09

O juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, acatou na tarde desta quarta-feira, 23 a denúncia proposta pelo Ministério Público Federal contra o doleiro Alberto Youssef e outros seis investigados pela Polícia Federal, presos pela Operação Lava Jato, um esquema de lavagem de dinheiro que chegou a movimentar R$ 10 bilhões nos últimos quatro anos.

Além dessa denúncia, o MPF também ofereceu outras quatro, mas que estão sendo analisadas e poderão ser acatadas nos próximos dias. O ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa é citado em apenas uma denúncia, enquanto Youssef aparece em mais uma, além da primeira. O doleiro é acusado de ter remetido US$ 444,6 milhões para fora do Brasil entre julho de 2011 e março de 2013, por conta da utilização de empresas de importação inexistentes.

A primeira oitiva com as testemunhas de acusação deve acontecer no dia 30 de maio, na sede do MPF. Segundo a decisão do juiz a denúncia foi acatada por existir elementos suficientes para a investigação. No despacho, há detalhes sobre as operações fraudulentas em que diversas empresas estão envolvidas.

Além disso, a denúncia detalha outras operações feitas por Youssef e Carlos Alberto Pereira da Costa: "os acusados Alberto Youssef e Carlos Alberto teriam internalizado, por meio fraudulento, valores previamente evadidos, de USD 3.135.875,20 entre 31/08/2010 e 03/05/2011, mediante quatro contratos de câmbio com investimentos a título de Capitais Estrangeiros a Longo Prazo na empresa GFD Investimento Ltda., ocultando e dissimulando a natureza e origem criminosa dos valores, o que caracterizaria crime de lavagem de dinheiro".

Além de Youssef e Carlos Alberto, também foram denunciados Leonardo Meirelles, Leandro Meirelles, Pedro Argese Júnior, Esdra de Arantes Ferreira e Raphael Flores Rodriguez. Leonardo Meirelles era um dos sócios do laboratório Labogen, que chegou a firmar convênio de R$ 31 milhões com o Ministério da Saúde no ano passado, mas era mais utilizado como passagem de dinheiro para o exterior.

No total, foram realizadas 3.649 operações de câmbio entre julho de 2011 e 17 de março deste ano, data das prisões de Youssef e Carlos Alberto. Na ação, a Justiça Federal individualizou a participação de cada um dos envolvidos nas ações da quadrilha. Segundo a descrição da Justiça Alberto Youssef era o líder do grupo criminoso, mandante e executor dos crimes.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo