Beto Barata|Estadão
Beto Barata|Estadão

Justiça condena ex-presidente da Eletronuclear a 43 anos de prisão

Othon Luiz Pinheiro da Silva deve cumprir pena por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro em estatal; filha é sentenciada a 14 anos

Mariana Sallowicz, O Estado de S. Paulo

03 Agosto 2016 | 23h18

RIO - O juiz da 7.ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, condenou nesta quarta-feira, 3, o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva a 43 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, embaraço a investigações, evasão de divisas e organização criminosa. Outros 12 réus também foram condenados na ação penal, que investiga crimes cometidos na construção da usina nuclear de Angra 3.

Othon foi acusado pelo Ministério Público Federal de cobrar propina em contratos com as empreiteiras Andrade Gutierrez e Engevix. Ele foi um dos alvos da 16.ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Radioatividade, que avançou sobre irregularidades em contratos no setor elétrico. Preso em julho do ano passado, foi para o regime aberto em dezembro, mas voltou a ser preso no mês passado pela PF durante a Operação Pripyat acusado de continuar a exercer influência na Eletronuclear.

“O condenado abriu mão de sua honrada história para praticar, já´na fase derradeira de sua vida profissional, atos de lavagem de capitais, falseando contratos comerciais, possivelmente para garantir uma aposentadoria mais confortável”, escreveu Bretas na sentença. "Othon Luiz utilizou ilicitamente sua notoriedade profissional e importância do cargo, fato que considero altamente reprovável."

A filha de Othon, Ana Cristina da Silva Toniolo, também foi condenada e deve cumprir pena de 14 anos e 10 meses de reclusão em regime fechado, além de pagar multa. 

Segundo a Procuradoria, os pagamentos de propina a Othon foram realizados por meio de empresas intermediárias para a Aratec Engenharia, controlada pelo vice-almirante e por sua filha. A investigação rastreou ao menos R$ 4,5 milhões em uma conta da Aratec.

Empresários. Também condenados, executivos da Andrade Gutierrez tiveram suas penas reduzidas após fecharem acordos de delação premiada. O presidente afastado da Andrade Gutierrez, Otávio Marques de Azevedo, por exemplo, teve perdão de 15 anos. Ele foi condenado a sete anos e quatro meses de reclusão. Para Flávio Barra, diretor da empreiteira, a pena definida foi de seis anos e 10 meses. Sem a delação teria de cumprir 20 anos e 6 meses.

Um dos sócios da Engevix, o engenheiro José Antunes Sobrinho teve a segunda maior pena, de 21 anos e 10 meses. Cristiano Kok, também da Engevix, foi absolvido por falta de provas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.