MASAO GOTO FILHO / ESTADÃO
MASAO GOTO FILHO / ESTADÃO

Juízes e procuradores anunciam presença em protesto na Paulista

Ato terá entre suas pautas repúdio à aprovação pela Câmara do pacote de medidas anticorrupção e à possibilidade de enquadrar servidores do Judiciário no crime de responsabilidade; manifestação deste domingo, 4, foi convocada por movimentos de rua que atuaram pelo impeachment de Dilma Rousseff

Valmar Hupsel Filho e Pedro Venceslau , O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2016 | 05h00

Juízes, promotores e procuradores confirmaram presença no protesto marcado para este domingo, 4, na Avenida Paulista, região central de São Paulo. Eles vão participar do ato que terá entre suas pautas o repúdio à aprovação pela Câmara dos Deputados do pacote de medidas anticorrupção e à possibilidade de enquadrar servidores do Judiciário no crime de responsabilidade. 

O ato convocado por organizadores das manifestações pró-impeachment de Dilma Rousseff terá também a participação de grupo favorável à intervenção militar, que em novembro invadiu o plenário da Câmara. 

Para o protesto deste domingo, os movimentos não conseguiram chegar a uma pauta comum, mas todos defenderão a não interferência ao trabalho da Operação Lava Jato e farão críticas aos parlamentares. Com a aprovação da possibilidade de criminalizar a ação de promotores e juízes, o tema também entrou na pauta e ganhou a adesão dos servidores. 

“Estaremos lá no domingo”, disse o procurador de Justiça Mario Sérgio Christino, primeiro- vice-presidente da Associação Paulista do Ministério Público, logo após participar de um ato no Fórum João Mendes. 

Segundo Christino, a manifestação visa a “conscientizar a sociedade da gravidade das propostas aprovadas que afetam diretamente o trabalho do MP e da magistratura”. 

Blocos. Em reunião com a Polícia Militar, os organizadores do ato definiram que a Avenida Paulista será dividida em cinco blocos, com sete caminhões de som. Os “intervencionistas” ficarão na esquina com a Rua Pamplona. Nos eventos contra o impeachment de Dilma, o local era reservado ao Vem Pra Rua, o maior grupo antipetista. O MBL vai ficar na esquina da Alameda Campinas e o VPR foi deslocado para a Rua Casa Branca. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.